billie eilish
A cantora norte-americana Billie Eilish (FOTO: Reprodução)

De Cat Lafuent do TheList

Billie Eilish é uma criação da sua própria autoria. E ela é diferente de muitas estrelas que se tornam famosas como adolescentes com a ajuda de um produtor e de uma equipe, que trabalham com eles para criar uma persona e compor um breakout hit. Ou aqueles jovens que talvez fossem frequentadores regulares de programas de televisão, como The Mickey Mouse Club, e que lhe transformaram em celebridades depois.

Eilish tornou-se exponencialmente famosa à velocidade da luz, sem sinais de desaleração. A cantora-compositora está a aproveitar o auge do sucesso junto dos seus milhões de fãs, que cantam todas as suas canções em shows em todo o mundo. Não se esqueça da sua sensibilidade à moda, que celebra roupas despojadas e folgadas que desafiam normas de gênero e regras de estilo. É tão singular como a sua música, que é chocante, cativante e reveladora da sua velha alma.

Billie Eilish as a baby

Mas será que a Eilish sempre foi tão marcante como parece ser? E ela é realmente tão original quanto parece? Prepare-se para a espantosa transformação de Billie Eilish.

A história da origem de Billie Eilish não começa num estúdio em Burbank ou num Brownstone em Manhattan. Nascida em 2001, Eilish é uma nativa da região de Highland Park, em Los Angeles, o que pode parecer que ela teve uma educação glamorosa, mas não teve. “O Highland Park tornou-se popular agora, mas crescer lá não foi nada disso”, explicou ela numa entrevista à NME. “Houve tiros e merd*, sabe – foi muito problemático” e acrescentou a seguir: “Eles acham que sou apenas uma menina rica de Los Angeles. Mas, por outro lado, Eilish não é conhecida por ser previsível.

VEJA TAMBÉM: Anitta dança de biquíni com Gui Araújo e recebe tapinha no bumbum

Highland Park é onde Eilish continua a chamar de lar e um lugar que ela tem visto passar por enormes mudanças. “É enorme agora, e um bocadinho populoso, o que é estranho”, revelou ela numa entrevista ao Coup de Main. “É muito acolhedor, muito confortável”. O tempo dirá se é lá que ela fica.

Billie Eilish with her older sibling as a baby

Uma coisa é certa sobre Billie Eilish, e isso é que a música está no seu DNA. Nas suas primeiras memórias de infância, nos anos 2000, ela estava sempre a fazer barulho e a usar a sua voz ao ponto de ter de se acalmar. “Canto desde criança”, recordou, numa entrevista à revista Paper. “Aprendi ukulele e piano sozinha – o meu pai ensinou-me um pouco. Estou num coro desde os meus 8 anos de idade, por isso foi aí que aprendi a minha técnica e como não arruinar a minha voz”.

Assim como Eilish praticamente saiu do ventre cantando, ela também tem a certeza desde o início de que estava destinada a ser uma musicista. “Sempre soube que cantar, escrever música e performar era o que eu queria fazer”, continuou. “Por isso estou contente por isso estar acontecendo”. Não só está acontecendo, como está a redefinir as regras do jogo à medida que avança. Tomem essa, indústria do entretenimento!

Billie Eilish as a child

Não haveria Billie Eilish sem os seus pais, Maggie Baird e Patrick O’Connell, dois atores que se mudaram de Nova Iorque para Highland Park para se instalarem no que era, na altura, uma comunidade acessível para os artistas. Juntamente, é claro, com o seu “melhor amigo” e irmão Finneas O’Connell. Claro que a música fazia parte do currículo da escola em casa, o que explica porque tanto Eilish como o seu irmão se tornaram músicos. E além de serem educados em casa, Eilish e sua família dormiam todos numa cama de quatro pessoas até o irmão fazer 10 anos, e depois ficarem em diferentes quartos, de acordo com o The New York Times. Ela também foi criada sob o vegetarianismo, e continua apaixonada por não comer carne até hoje, de acordo com um Stories do Instagram de Junho de 2019.

Provavelmente como um resultado de ter estudado em casa com seu irmão, Billie Eilish e Finneas O’Connell sempre tiveram uma boa relação. “Eu e Finneas sempre tivemos um laço”, revelou ela numa entrevista ao Coup de Main. “Sempre tivemos uma ligação, especialmente com a música”.

young Billie Eilish

Dado que Finneas era o irmão mais velho, Eilish olhou para ele e esforçou-se por fazer música que fosse tão boa como a dele – e a da mãe deles. “Todo o tempo escrevi qualquer música – uma vez que a minha mãe também é compositora e me ensinou a escrever canções – sempre tive um padrão que é muito, muito alto”, continuou ela. “Tenho de ser tão boa como eles”.

Embora a fama de Eilish tenha ultrapassado em muito o que qualquer um poderia ter previsto, ela ainda conta com o irmão O’Connell como seu colaborador criativo. É claro que ela trabalha com outros artistas de vez em quando, mas o seu irmão é o único companheiro de banda de que ela realmente precisa. 

young Billie Eilish

Acredite ou não, Billie Eilish esteve durante muito tempo no meio de uma intensa busca por algo diferente da música: a dança. Ela amava-a apaixonadamente e saboreou a libertação emocional que ela lhe dava – até que os acontecimentos a tornaram incapaz de a perseguir por mais tempo. “A dança foi sempre a minha forma de me expressar, e depois me magoei, e depois voltei a magoar-me, o que me afastou completamente da dança”, lamentou ela numa entrevista a Coup de Main. Ela continuou: “Foi horrível, horrível, horrível”.

Apesar de estar deprimida por não poder dançar, Eilish encontrou um lado bom no meio das frustrações: começou a concentrar-se na música a sério, que é como nasceu a sua primeira canção “Ocean Eyes” quando tinha 13 anos. “Essa canção aconteceu porque um dos meus professores de dança sabe que eu canto e escrevo com o meu irmão”, explicou ela em entrevista à revista V. “Ele perguntou se podíamos fazer uma canção para uma das danças”. Assim, os irmãos começaram a alinhar-se, e nasceu uma balada inesquecível.

Muitos de vocês sabem como é: você faz uma música ou um vídeo e sobe no YouTube, Bandcamp ou Soundcloud, onde recebe um stream aqui e ali… mas depois esfria um pouco e você acaba esquecendo tudo. E era isso que Billie Eilish esperava em 2015 quando ela e o irmão carregaram “Ocean Eyes” para uma plataforma de streaming. “Colocamos no Soundcloud com um link para download gratuito”, recordou ela numa entrevista à revista Paper. “Estávamos apenas a usá-lo para enviar um link para o meu professor de dança e não tínhamos expectativas”. Se ao menos ela soubesse então o que eles tinham começado.

young Billie Eilish

Tornou-se evidente muito rapidamente que a canção estava destinada a ser um sucesso. “De um dia para o outro, ela recebeu mil plays e nós ficámos tipo: ‘Conseguimos. Não precisamos ir mais além”, compartilhou ela.

Mas ela foi mais longe. A canção ficou completamente viral, de acordo com a NME, angariando milhões de views e lançando efetivamente a carreira de Eilish.

Não demorou muito depois do sucesso de “Ocean Eyes” para que as gravadoras começassem a tomar conhecimento de Billie Eilish, apesar de ela ser tão jovem. Para isso, no Verão de 2016, Eilish oficializou a sua contratação com Darkroom, uma empresa dirigida por Justin Lubliner, que na altura só tinha 20 e poucos anos, como noticiou o The New York Times. Darkroom pode não parecer tão familiar, mas trabalha em parceria com a famosa Interscope Records, fundada no final dos anos 90 e conhecida pelos seus artistas insanamente talentosos.

young Billie Eilish

John Janick, CEO da Interscope Records, reconheceu desde o início um potencial extremo em Eilish. “O seu sentido de estilo, como pensa, a forma como fala – tudo sobre ela era apenas diferente”, revelou numa entrevista ao The New York Times. “Ela tinha um ponto de vista tão forte, especialmente por ter 14 anos de idade”. É claro que essa foi a jogada certa para o rótulo, pois Eilish estava apenas começando a ascensão meteórica para onde ela está hoje.

Uma vez que Billie Eilish foi confortavelmente contratada por uma empresa discográfica, era tempo de descobrir os próximos passos a dar. Talvez a coisa convencional tivesse sido comercializar “Ocean Eyes” como um hit único para as audiências de rádio. Mas Brandon Goodman, um dos gestores da carreira de Eilish, tinha uma abordagem diferente. “Não queríamos que fosse sobre uma canção”, explicou ele em entrevista ao The New York Times. “Nunca quisemos que nada fosse maior do que Billie, a artista.” Em vez disso, Eilish começou a trabalhar num novo projeto – parece que esse era definitivamente o caminho certo a seguir.

Billie Eilish on stage

No Verão de 2017, um EP estava pronto para ser lançado ao mundo, com um título excessivamente adequado à sensibilidade de Eilish. “O meu EP chama-se Dont Smile at Me por muitas razões, mas uma delas seria quando [alguém lhe diz], ‘Sorria’. Porque não está sorrindo? É muito mais bonito quando se sorri”, revelou ela numa entrevista à Ssense. Ela disse: “Não vou me parecer com ninguém, a não ser com o que sou”. Quero surpreender a mim mesma”.

Se nunca viu Billie Eilish e só ouviu as suas canções, não sabe o que está perdendo porque o estilo dela é completamente próprio. É sério, não há mais ninguém como ela lá fora. Ela é frequentemente vista com cores ousadas e brilhantes na sua página do Instagram, e nunca foi conhecida por correr atrás dum selo de luxo como o Louis Vuitton.

Billie Eilish

Eilish não se importa que os seus trajes chamem a atenção para si mesma. Pelo contrário, ela gosta muito. “Só gosto de ser olhada”, disse ela claramente numa entrevista com a Luxury Insider. “Sempre quis vestir o que quisesse. Nunca ninguém me disse o contrário, mesmo quando eu era criança. A roupa é a minha rede de segurança, é como o meu guarda de segurança”.

Uma coisa que é especialmente interessante sobre Billie Eilish é a sua confiança nos adolescentes, mesmo quando as pessoas lhe dizem que há coisas que ela não consegue entender porque é muito nova. “Mano, os adolescentes sabem mais sobre o país em que vivemos neste momento do que qualquer outra pessoa”, proclamou ela numa entrevista à NME. Dada a quantidade de jovens ativistas como Greta Thunberg, Emma Gonzalez e Jazz Jennings que estão a fazer ouvir as suas vozes, Eilish pode também estar definitivamentea fazer alguma coisa.

Billie Eilish style

É por isso que Eilish se juntou ao Presidente da Câmara de Los Angeles, Eric Garcetti, em 2018, num esforço para que os jovens  votem. “O mundo está acabando e, sinceramente, não compreendo a lei que diz que é preciso ser mais velho para votar, porque eles vão morrer em breve e vamos ter de lidar com isso. Isso não faz qualquer sentido para mim”, disse ela. “Mas ver os jovens a participar de protestos pacíficos e a não obedecer é bonito”.

Billie Eilish finalmente lançou no começo do ano passado o seu tão esperado e primeiro álbum completo – provavelmente um dos mais esperados do mercado – em 29 de Março de 2019. Intitulado When We Fall Asleep, Where Do We Go?, o álbum é o resultado de três anos de trabalho de Eilish e do seu irmão, que trabalharam nele no estúdio do seu quarto.

Billie Eilish

Eilish estava nervosa mesmo antes do álbum sair, com medo que as pessoas não o adorassem como ela. “Eu não queria que o mundo pudesse me dizer o que eles sentem sobre essa coisa que eu amo”, confessou ela em uma entrevista com a Billboard. “Mas a resposta tem sido uma loucura.”

O sucesso do álbum não se perde em Eilish, que sabe que este é o seu momento. “Estou nos bons velhos tempos agora”, continuou ela. “Quem sabe se este é o meu auge e depois eu morro ou algum merd*? Ou a minha carreira acabe e eu vou-me embora e ninguém se importa”. Ela acrescentou: “Ou fica mais insana” Estamos apostando nesta última ideia, Billie.

Billie Eilish

Em 2019, Billie Eilish conseguiu fazer aquilo com que tantos artistas muitas vezes sonham: tocou um set completo no festival de todos os festivais, Coachella. Foi apenas duas semanas depois de o seu primeiro álbum completo ter sido lançado – e conquistado o número 1. no Billboard 200 – por isso este foi, mais uma vez, claramente o seu momento. Mas na noite anterior, Eilish ainda estava processando todas as emoções daquele momento. “Tudo o que é dito sobre mim e o que eu criei – amanhã vou tocar Coachella e vou fazer isto e aquilo – continuo a pensar como se não fosse eu, porque é somente um nome”, compartilhou ela numa entrevista com a Billboard. É muito para se lidar com isso para qualquer um, quanto mais para um adolescente. Mas, é claro, Eilish detonou.

Dado o seu sucesso, ela foi capaz de conhecer outras celebridades que ela admira. “Estou neste lugar onde conheço todas as pessoas de quem sou fã”, continuou ela. “É muito esquisito”. Aproveite o passeio, garota!

Billie Eilish performing at Coachella

É bastante óbvio para qualquer um que tenha visto Billie Eilish que ela tem uma boa aparência quase como o de uma modelo. Com seus olhos azuis assombrosos e pele perfeita, Eilish irradia uma beleza e uma confiança próprias, e nos deslumbra com um guarda-roupa impecável.

Mas, em Maio de 2019, Eilish tornou-se modelo num anúncio para Calvin Klein, compartilhando com o mundo a razão pela qual usa sempre roupa folgada. “Nunca quero que o mundo saiba tudo sobre mim”, revelou ela no anúncio. “É por isso que eu uso roupas grandes e folgadas. Ninguém pode ter uma opinião, porque não viu o que está por baixo”. Esta é a coisa mais explicativa que ela tenho dito, para todas as mulheres – vulgares, excepcionais, famosas, qualquer uma delas.

Billie Eilish in her Calvin Klein commercial

E enquanto a sua página Instagram ainda recebe zilhões de comentários de ódio, Eilish sabe que eles são apenas trolls. “Não acreditariam que as pessoas dizem merd* de mim”, disse ela numa entrevista com a NME. “Mas é muito engraçado, porque quem está a ganhar dinheiro? Quem é que está a fazer espetáculos em todo o mundo? Quem é que está a ganhar sapatos grátis? Eu”.

Apesar de Billie Eilish estar apenas começando, é claro que a cantora está pronta para ter uma carreira que pode rivalizar ou mesmo superar muitas de suas antecessoras. Com a sua estreia no Coachella em 2019 e milhões de anúncio em seu nome, o mundo é a ostra de Eilish.

Billie Eilish close-up

Talvez o que é tão refrescante em Eilish é que, apesar das suas muitas realizações e elogios, tudo nela é 100% autêntico. “Ela tem sido fiel a si mesma desde o primeiro dia”, disse Lindsey Fell, gerente de relações artísticas do YouTube, de Eilish, em entrevista à Billboard. E ela ainda tem a sua mão em todos os aspectos do seu trabalho. “Billie está totalmente [envolvida] em toda a sua criatividade, até aos mais pequenos detalhes”, disse Zane Lowe, da Apple Music. “Ela está a criar uma onda da sua própria autoria”.

E se você pensa que Billie Eilish tinha acabado com a sua ascensão meteórica à fama após a sua estreia no topo da Billboard  e o sucesso do show no Coachella de 2019, você está errado. Isso porque em 2020, Eilish fez a limpa no Grammy Awards, levando para casa todos os grandes prêmios: melhor artista nova, disco dos anos, álbum do ano e canção do ano, segundo a Rolling Stone. Ela também obteve o melhor álbum vocal pop, num total de cinco troféus. Isso sem citar os prémios do irmão Finneas O’Connell pela produção e engenharia da sua música – parabéns, vocês os dois!

Billie Eilish at the 2020 Grammy Awards

Com tudo o que Eilish conseguiu, ela está finalmente num ponto em que pode verdadeiramente absorver tudo. “Percebi há alguns meses que estou no período da minha vida de que vou sentir falta”, confessou ela numa entrevista à Billboard. “A vida é um pouco perfeita para mim neste momento, para ser honesta contigo, e sinto que posso dizer isso agora porque não foi por muito tempo e agora não estou a mentir”.