Donda: vale mesmo a pena ouvir o novo álbum de Kanye West?

Golpe de marketing ou puro gênio? Essa coluna foi apurar ao pormenor do que se trata o álbum ‘Donda’, tão esperado pelos fãs e que está batendo recordes nas plataformas de streaming em todo o mundo.

Publicado em 15/09/2021 17:21
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Apesar de toda a polemica que envolve o novo trabalho de Kanye West, (inclusive a acusação do próprio Kanye de que o álbum foi lançado e editado pela gravadora sem o seu consentimento) o álbum ‘Donda’ segue batendo recordes e se mantendo entre os mais ouvidos em todas as plataformas de streaming, desde o seu lançamento, que aconteceu no dia 29 de agosto.

Toda espera e frisson sobre o novo trabalho deve-se também, em partes, ao fato do próprio artista ter marcado por diversas vezes a data de lançamento de seu novo disco, não cumprindo a promessa nenhuma vez. Mas agora os fãs já podem apreciar as suas 27 faixas, inclusive a canção ‘Jail pt 2’, que havia sido, a princípio, cortada do álbum, mas por fim acabou sendo liberada. A faixa conta com a participação de Marilyn Manson e DaBaby e o motivo para quase não ter sido liberada é que Manson enfrenta na Justiça processos de violência contra mulheres, enquanto DaBaby tenta se livrar das acusações de ter cometido crime de homofobia. Mas isto é assunto para a Justiça resolver. A nós cabe avaliar a musicalidade e a arte.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mas afinal, apesar de toda a espera, sucessivos atrasos, crises conjugais do artista com Kim Kardashian e tantas polêmicas, vale a pena ouvir ‘Donda’? O que soa como a típica inconstância e inquietude do artista e de toda a aura de perfeccionismo que ele carrega, poderia ser apenas um golpe de marketing ou puro delírio de grandeza? É isto que a nossa coluna foi apurar, minuciosamente, ouvindo por dias seguidos, desde o lançamento, todas as faixas do novo álbum. Segue a análise:

Donda

Os fãs chamaram West de gênio, capaz de criar teatros emocionantes que evoluem em tempo real; outros o viam como um provocador vazio. A verdade é que com Donda, West parece saber instintivamente como armar a controvérsia para despertar o interesse coletivo em um novo projeto.

O nome Donda (alegadamente em homenagem à sua mãe, que era professora de inglês e morreu em 2007), há uma sensação incômoda de que o espetáculo ofuscou a música real, com este álbum enorme, de 108 minutos, onde raramente estamos certos do que Kanye está tentando dizer. 

A introdução, Donda Chant, uma sequência de recitações misteriosas do nome de sua mãe aparentemente projetada para mandá-lo para um lugar submerso, é impressionante, dando-lhe a impressão de que você está prestes a passar por uma experiência religiosa imersiva. Mas muitas vezes as canções que se seguem são construídas sobre ideias mal elaboradas de um Ocidente mais preocupado com a autopiedade e o martírio do que com o confronto de suas contradições.

Jail

A música Jail pode soar monótona para a maioria. Construída sobre riffs repetitivos, West se reencontra com seu parceiro de Watch the Throne, Jay-Z. Contudo, a melodia da música serpenteia e a letra de West parece embotada, muito distante das piadas afiadas que eram tão características da sua expressão artística. Agora, ele repete letargicamente a pergunta “adivinhe quem vai para a cadeia?” sem nunca realmente deixar claro o que ele está insinuando. Logo, isso poderia ser facilmente lido como um gemido sobre cancelar a cultura.

God Breathed

God Breathed é um hino da armadilha para a teologia da prosperidade, quase um click bait neopentecostal em forma de canção (“Eu não me importo com os honorários do advogado … Deus vai resolver tudo para mim”). A música alia a transcendência cristã com a onda de uma rave. West repete “Eu sei que Deus soprou sobre isso” como se estivesse repassando possíveis slogans de camisetas.

Pobre menino rico

Ouvir Kanye, um bilionário, chafurdar na autopiedade (“Tudo o que você faz de bom passa despercebido”, em Jesus, Lord ou alegar que ele é anti-comercial em Keep My Spirit Alive revela sua falta de autoconsciência. 

O artista também traz consigo grandes momentos emocionais – como ponderar se a morte vai finalmente reuni-lo com sua mãe; ou ceder sob a tensão do divórcio (em “Cussing to your baby mama / acho que é por isso que eles chamam de custódia”) – mas não se conecte totalmente. West carece das coisas que antes o tornavam tão atraente como compositor: autodepreciação como em Devil in a New Dress de 2010, e um senso de humor para cortar momentos de tensão (como em Roses, de 2005, onde interrompe uma vigília no leito de morte com piadas de tia, por exemplo). A atmosfera aqui é solene – além da piada estranha com o pai aqui e ali: “Alguns dizem que Adão nunca poderia ser negro / porque um homem negro nunca divide sua costela”. Um misto de constrangimento com falta de brilhantismo. 

Melhores momentos 

Mas nem tudo é mal ou constrangedor em ‘Donda’. Um momento inegavelmente excelente é Believe What I Say, que utiliza os cantos de cura de Lauryn Hill de seu clássico Doo-Wop (That Thing) para uma música soul mais uptempo, na qual West lembra a si mesmo de não ser arrastado pela fama. É o momento mais restaurador do registro.

Enquanto isso, Hurricane, que apresenta Lil Baby e The Weeknd, contém um grande gancho do último que projeta confiança para andar na água. “Há muito para digerir quando sua vida está sempre em movimento”, afirma West, refletindo sobre a passagem de um abandono escolar a orador convidado em Yale. Nessa trilha, ele se sente mais como um ser humano e menos como alguém que apresenta a doutrina de uma mega igreja corporativa. 

Da mesma forma, Lord I Need You tem detalhes íntimos de seu casamento em colapso e é um momento de fragilidade comovente, mesmo que por vezes o faça soar como o pai de Jim em American Pie.

Infelizmente, os melhores versos deste álbum não vêm de Kanye. O rapper do Brooklyn, Fivio Foreign, ilumina o comovente Off the Grid com granadas líricas sobre suas tatuagens no rosto serem um marcador da verdade. Baby Keem mistura adoração com a carnalidade sombria do mosh pit com seu verso baseado no Auto-Tune em Praise God. Jay Electronica mescla astecas, otomanos, a Nação do Islã, Wakanda, Thelonious Monk e o imperialismo moderno em uma visão de mundo enigmática de Jesus Lord, enquanto o bandido surrealista Westside Gunn flutua sobre Keep My Spirit Alive com raps sobre despejar cocaína no banheiro enquanto os policiais cercam. O homem do blues de Chicago, Lil Durk, fala sobre o recente assassinato de seu irmão em Jonah, referindo-se poderosamente a uma sobrinha e sobrinho agora sem pai. West claramente inspira admissões francas de todos os artistas apresentados em Donda, que o tratam como um pastor ou ministro da Palavra que visitaram para uma sessão de terapia de grupo.

Este colunista fica muito desapontado que West não seja capaz de igualar sua clareza de pensamento com a de outros tempos. Ele passeia no álbum com fragmentos de gospel que realmente não vão a lugar nenhum, algo particularmente evidente em Come to Life, com uma linha de piano que puxa pelo nosso coração à maneira de um comercial de TV de uma campanha de caridade para crianças com câncer. É difícil dizer a um bilionário o que fazer, e a falta de uma autoedição significa que Donda frequentemente desmorona. Um disco que é uma homenagem a uma poderosa mulher negra também carece de muita perspectiva feminina, além de velhos clipes de áudio de discursos de Donda West.

Em sua estreia em estúdio em 2004, com The College Dropout, West era, às vezes, um anticonsumista que brincava sobre nossa obsessão por coisas materiais e afinidade com a marca. Anos depois, ele fecha o círculo, como um capitalista tentando falar com Deus através de tetos de ouro. Na maioria de seus álbuns, ele usou a inteligência de estrelas convidadas para ter uma conversa com a cultura contemporânea, mas nunca foi superado por essas estrelas, como  agora. No coração da música crowdsourced de Donda está uma figura diminuída, que está em desacordo com o espirituoso ‘quebrador’ de regras do passado. Que saudade!

Vale a pena ouvir Donda? sim. Mas infelizmente, nao necessariamente por causa de Kanye.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio