ludmilla
A cantora fluminense Ludmilla (FOTO: Reprodução)

Apostando no frescor do filão de funk eletrônico, Ludmilla e Dennis DJ se uniram com o novo prodígio do rap, o cantor Xamã no single “Deixa de Onda”. O músico novato, aliás, conseguiu juntar beldades como Marília Mendonça, Agnes Nunes e Luisa Sonza, em seu álbum conceitual Zodíaco. Então chega a ser curioso vê-lo rimando “bóque” (gíria pra sexo oral) com “what a fuck” em uma das rimas mais bizarras do cancioneiro recente. Seguindo a tendência bem sucedida de hits como “Oh Juliana” e “Rave dos Fluxos”, a caprichada faixa funkeada já alcançou mais de um milhão e 200 mil views em seu clipe no Youtube.

O hit, aliás, é uma das marcas desta fase mais “saidinha” do pop nacional onde palavrões são melhor assimilados e onde somente, uma intérprete de posicionamentos mais francos, como Ludmilla, poderia pronunciá-los de maneira autêntica. Se os sintetizadores já revolucionaram o rock e o pop mundiais ainda nas décadas de 70 e 80 chegou a hora do trintão Senhor Funk Carioca se apropriar dos famosos synths. E através de uma das principais testemunhas do crescimento do funk: ninguém menos Dennison de Lima Gomes ou somente Dennis. Um dos pais do gênero carioca.