beyoncé adele
As cantoras Beyoncé e Adele (FOTO: Reprodução)

Faltando poucos dias para a edição deste ano, os bastidores do Grammy, parecem estar mais interessantes do que a premiação em si. No próximo dia 26 de janeiro (domingo) irá rolar mais uma edição da entrega do prêmio mais importante da indústria musical norte-americana. Sendo assim, a ex-presidente Deborah Dugan, que foi afastada do cargo em licença administrativa, aproveitou o timing para fazer sérias denúncias de fraude nas indicações.

Segundo informações do prestigiado veículo musical Pitchfork, o advogado da ex-presidente afirmou que dentro do Grammy acontecem muitas ações consideradas anti-éticas com casos de corrupção, racismo e até abuso sexual. A antiga funcionária do evento revelou que os membros do conselho indicam com frequência artistas com quem tem conexão ou interesse para que possam assegurar que certas músicas sejam impulsionadas nas rádios e streaming, melhorando seu desempenho.

Inclusive, Deborah Dugan contou também que teria acontecido uma fraude nas indicações de “Canção do Ano” na edição de 2019 e que artistas que tinham sido mais votados, como por exemplo Ariana Grande e Ed Sheeran, teriam sido simplesmente ignorados e substituídos por outros músicos que estavam em posições muito inferiores.

VEJA TAMBÉM: Irmã gêmea? Garota idêntica à Anitta viraliza na web e ganha milhares de seguidores

Em seu discurso, Deborah também explica que os dirigentes do Grammy Awards endossam um posicionamento extremamente racista, afirmando que dificilmente artistas do R&B e Rap (predominantemente negros) acabam saindo vencedores das principais categorias da premiação, como Música, Gravação e Álbum do Ano. A rejeição aconteceria mesmo com nomes consagrados pela crítica e público, como Beyoncé, Kendrick Lamar e Kanye West. No processo, há argumentos de que membros negros da Academia eram expulsos da equipe por falar da falta de diversidade do Grammy Awards.

Vale lembrar que em 2017, o Grammy Awards foi acusado por críticos musicais e internautas por ignorar em indicações e premiações principais, os álbuns ANTI da Rihanna e Lemonade, de Beyoncé. Com toda a repercussão das denúncias de racismo, internautas resgataram um vídeo de Adele discursando emocionada ao receber o prêmio de Álbum do Ano pelo último disco “25”.

“Eu não posso aceitar este prêmio. (…) A artista da minha vida é Beyoncé, e o álbum ‘Lemonade’ é tão monumental (…) e tão bem pensado e tão bonito e tão revelador, que todos nós vimos um lado seu que nem sempre você nos deixa ver, e nós agradecemos por isto. E todos nós, artistas, amamos você. Você é a nossa luz!.” Houve na web, na ocasião, muita gente sugerindo que a própria Adele assumiu publicamente que Beyoncé merecia o prêmio mais do que ela própria.

A Academia musical chegou a enviar uma nota em resposta às acusações de preconceito para a revista Variety comentando sobre as investigações, mas se abstendo de abordar as acusações de fraude no processo de escolha dos indicados e vencedores.

É curioso que a Sra. Dugan nunca deixou claras essas graves alegações até uma semana depois que as queixas legais foram feitas contra ela pessoalmente por uma funcionária que alegou que a Sra. Dugan havia criado um ambiente de trabalho tóxico e intolerável e engajado em conduta abusiva e de bullying. Quando a Sra. Dugan falou sobre seus incômodos ao RH, ela especificamente instruiu o RH a ‘não fazer nada’ em resposta. De qualquer forma, nós imediatamente iniciamos investigações independentes para rever tanto a potencial falha de conduta da Sra. Dugan quanto as subsequentes alegações. Ambas as investigações continuam em curso. A Sra. Dugan foi afastada administrativamente apenas depois de oferecer seu posto e demandar US$ 22 milhões da Academia, que é uma organização sem fins lucrativos. Nossa lealdade sempre será aos 25 mil membros da indústria musical. Nós sentimos muito que a maior noite da música esteja sendo roubada deles devido às ações da Sra. Dugan e estamos trabalhando para resolver esta questão o mais rápido possível”.

Caso as denúncias de fraudes no sistema de votação realmente influenciem a premiação deste ano, as maiores beneficiadas devem ser Lizzo e Ariana Grande em detrimento de Billie Eilish. Mas, possivelmente o discurso revelador da ex-presidente Deborah Dugan tenha chegado tarde demais. À conferir.