gloria groove
A cantora paulistana Gloria Groove (FOTO: Reprodução)

COLUNA DROPS!

(Fernando Berenguel)

Se o cenário das drags nacionais da música fosse representado por uma sala de aula, alguns papeis se desenhariam de maneira curiosa. Enquanto a provocativa Lia Clark e sua língua ferina com certeza fariam parte da turma do fundão, Aretuza Lovi seria aquele aluno mais despretensioso com desempenho mais tímido e mediano. Já Pabllo Vittar, suas curvas esculturais e seu 1,87 cm, com certeza lhe concederiam o status da garota mais popular da sala de aula.

Há de se destacar, porém, o papel que Gloria Groove parece assumir: a da esforçada CDF ou verdadeira nerd. Com 18 anos de carreira artística, Daniel Garcia Felicione Napoleão começou sendo revelado numa nova formação do Balão Mágico. Logo depois, em 2006, no Programa de Raul Gil, o artista teve destaque no quadro Jovens Talentos. Logo depois, integrou o elenco da novela Bicho da Mato na Record e trabalhou por dez anos com dublagem.

Verdade é que, alternando entre suas personas Daniel e Gloria, o artista emplacou dezenas de trabalhos com repercussão no showbiz nacional: emprestou sua voz em seriados como Hannah Montana, Digimon Xros Wars, Doki, Power Rangers: Megaforce, além da franquia de filmes Descendentes. Mais recentemente, pôde mostrar sua potência vocal na regravação de Beautiful da Christina Aguilera para uma caprichada campanha publicitária de um banco.

Além disso, resolveu se arriscar ao sair do popular funk (onde encontrou grande repercussão com o hit “Coisa Boa”) para apostar no R&B, ritmo pouquíssimo difundido por aqui. A faixa escolhida foi “Apaga a Luz”, lançada em 2018 com melodia caprichadíssima e um dos pontos altos do gênero gringo no cenário musical brasileiro.

Desde então Gloria foi do reggae ao hip-hop, passando pelo funk e pop, flertando com o trap e mostrando todas as cores do seu versátil arsenal como artista. Neste ano, junto de Manu Gavassi com “Deve Ser Horrível Dormir Sem Mim”, a drag entregou um hit de letra bem trabalhada e alcançou sua melhor estreia no Spotify Brasil conquistando o segundo lugar entre as músicas mais tocadas do país. A melhor posição aliás alcançada pela estreia de uma drag neste ano de 2020.

Há de se destacar ainda a faixa lançada neste mês A Tua Voz, single do próximo EP da artista onde ela volta ao norte-americano R&B para provar que definitivamente o gênero está em boas mãos. Ainda que tais mãos sejam de um rapaz de peruca da Zona Leste de SP com as unhas pintadas. Preparando-se para estrear como apresentadora de um reality na Netflix, resta saber qual área do showbiz ainda não foi explorada por Gloria Groove, definitivamente o nome mais versátil do pop nacional.

DRAG AQUI NÃO!

Importante reafirmar o valor de gravadoras como Sony Music e SB Music além de produtores que seguem apostando nos talentos musicais da cena drag apesar das limitações do gênero. O hitmaker Rodrigo Gorky nos últimos tempos revelou um dos episódios mais emblemáticos do abismo que polariza o país ao contar que durante a divulgação do Não Para Não (segundo álbum de Pabllo Vittar) inúmeras rádios brasileiras se recusaram a tocar as músicas da drag até mesmo com propostas de jabá.

Como eu gostaria que a Pabllo não sofresse preconceito pelas rádios. Como eu gostaria que os fãs entendessem isso de uma vez por todas. Não adianta nem com jabá”, comentou Rodrigo respondendo a um fã de Pabllo em seu Twitter. Prática considerada polêmica no mercado, o jabá, vale lembrar é um repasse financeiro para execução radiofônica de uma música.

POR FALAR NELA

Em breve chegará ao mundo o novo single de Chameleo, em parceira com Pabllo Vittar. A música intitulada “Frequente(mente)”, tem clipe com direção do influencer e publicitário Federico Devito. “Vocês vão ouvir e ver a Pabllo de uma maneira que ela nunca se apresentou antes, tipo, nunca! Nunca, nunca. Vocês nunca viram Pabllo desta forma!“. O clipe que terá influências de filmes como Matrix e A Forma da Água, será lançado em novembro.

ELA NÃO VEM MAIS!

Tudo indica que o aguardado retorno de Adele realmente ficará para o próximo ano de 2021. Além da óbvia razão de que lançar um álbum com baladas tristes em pleno 2020 seria uma estratégia arriscada, existe o fato da gravadora estar se concentrando em sedimentar outro grande nome na música mundial. E nada é mais importante do que o primeiro álbum de um artista que todo mundo aguarda.

BIXA PRETA!

Tudo indica que após divulgar de maneira bem-sucedida os singles do disco “Fine Line” de Harry Styles, a gravadora Sony irá trabalhar no primeiro álbum de ninguém menos que Lil Nas X, parceiro de empresa da Adele. Rapper, preto e gay, o músico se tornou um símbolo da representatividade com a música mais bem-sucedida da história do Hot 100 da Billboard (“Old Town Road”). Tudo isto só eleva as expectativas do que vem por aí. Seu próximo single, ao que tudo indica, deverá ser a inédita faixa “Call Me By Your Name”.

BOB E ARETHA ADIADOS

A pandemia causou uma maré de azar nas cinebiografias de dois dos maiores astros da música norte-americana: Aretha Franklin e Bob Dylan. Enquanto a primeira será estrelada por Jennifer Hudson, o filme sobre a vida do maior compositor da história da música estadunidense será protagonizado pelo ator revelação Timothée Chalamet. Os dois filmes agora tiveram seus lançamentos adiados.

Going Electric irá narrar a ascensão de Bob Dylan na música folk e a transição repentina para o rock ‘n’ roll. O filme também verá a interação de Dylan com lendas da música dos anos 1960, que incluem Joan Baez e Seeger. O longa segue com as filmagens paralisadas por enquanto devido aos efeitos da pandemia.

(FOTO: Reprodução)

Já sobre o longa de Aretha, a produtora americana MGM anunciou na noite do dia 27 que o longa Respect – A História de Aretha Franklin chegará nos cinemas apenas em agosto de 2021. O longa acompanhará o crescimento da carreira de Aretha Franklin desde do momento que ela cantava no coral da igreja até se tornar uma super artista internacional.

A BAD BATEU

Por esses dias, falamos aqui na coluna sobre a maré de azar que se abateu sobre Luan Santana na pandemia. Luan foi forçado a demitir músicos e funcionários, saiu da Som Livre e como todo mundo já sabe, rompeu mais uma vez com Jade Magalhães, companheira de mais de 10 anos de estrada. Como se não fosse suficiente, oito dos seus fãs-clubes, talvez enciumados pela falta de atenção, resolveram interromper suas atividades. Agora sua assessoria mandou um e-mail para este site avisando que o cantor ficou preso numa casa no México após um furacão tomar conta do país. Piada de mau gosto da vida real.

NOVO NOME DA MPB

 A MPB acaba de ganhar um filho que já nasce mimado por sua criadora, a cantora e compositora Elisa Fernandes, que lança o primeiro álbum da carreira. “ELISA”, disponível nas principais plataformas musicais, surge após uma longa caminhada de oito anos desde que a artista se descobriu compositora. O talento foi sendo lapidado, inicialmente, em saraus espalhados de Norte a Sul do Rio de Janeiro, onde nasceu. Foi em território carioca que ela também fundou o coletivo de compositores Nós de Cabrália, e passou a soltar a voz em diversos palcos da cidade.

Afilhada musical de Monarco, sambista e líder da Velha Guarda da Portela, Elisa cresceu frequentando as quadras das escolas de samba do Rio. No primeiro disco, no entanto, o samba aparece nas entrelinhas e “ELISA” é um disco de MPB. Entre as referências da artista estão Chico Buarque, Angela Ro Ro, Gilberto Gil, Sandra de Sá, Chico César, Paulinho da Viola e Vander Lee, para citar alguns, além do padrinho Monarco.

E POR HOJE É SÓ!

ATÉ AMANHÃ!

(Fernando Berenguel)

(Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a linha e opinião do site e do portal UOL)