Pablo Bispo
O produtor musical Pablo Bispo (FOTO: Reprodução)

Pablo Bispo é um dos principais produtores e compositores da atualidade. Está por trás dos hits de grandes nomes como Anitta, Pabllo Vittar, IZA, Lexa, Gloria Groove, entre outros e concedeu uma entrevista exclusiva ao Observatório de Música. Confira:

1 – Você é formado em Administração e largou uma carreira no banco em 2013 para se dedicar totalmente ao Doutores da Alegria. Como a música surgiu na sua vida?

PABLO: Eu acho que a arte sempre esteve comigo. A gente vem de um lugar da Zona Leste do Rio de Janeiro, onde tudo é feito para desacreditar dos nossos sonhos. Eu nunca acreditei que eu poderia vivenciar tudo o que vivi e ser um produtor, um artista. E cara, depois de um tempo eu pensei “O que eu estou fazendo da minha vida? Eu quero viver fazendo o que eu amo”.

Depois desse vidro quebrado eu passei a entrar na arte. Eu sempre gostei de escrever, de desenhar um pouco e tal, mas o que mais me conectou foi o “Doutores da Alegria”. Entrar em hospitais, entender a dor do outro, tentando transformar isso em música, em alegria num momento um pouco delicado, acho que essa empatia desse desafio me fez querer viver da arte mesmo, e eu encontrei a música ali.  

A primeira música que eu fiz foi nesse ambiente, minha mãe teve câncer na época e eu fiz “Cravo e Canela” que a Anita e Vitin cantou e foi a primeira música minha que alguém gravou e a segunda música que alguém gravou foi “Essa Mina é Louca” e ai eu pensei “cara eu quero viver disso”.

2 – Quem é sua referência musical? Cite 1 nacional e 1 internacional! 

PABLO: Nacional eu tenho muita referência da galera que compõe mais das antigas assim, e da escrita e da verdade de vários artistas, então assim, eu sempre cai muito pro lado da escrita e da poesia então tudo que é de samba, da MPB eu sempre gostei muito. Sempre gostei muito de Djavan, Los Hermanos que era uma coisa mais “sofrência”, mas eu sempre gostei, ao mesmo tempo que eu sempre soube respeitar o pessoal que estava vindo com sua verdade e entender isso sabe? Na gringa eu curto muito a galera que é do Pop, referência gringa pra mim é o Justin Timberlake, eu ouvia muito na minha adolescência.    

3 – Sua primeira grande composição foi “Essa Mina É Louca” com Jhama e depois gravada por ele com Anitta. Como surgiu seu contato com Jhama e como aconteceu essa primeira composição? Na verdade segunda, pois você escreveu primeiro Cravo e Canela também da Anitta!

PABLO: Foi ai que eu descobri que queria fazer musica sabe? Cravo e canela foi quando minha mãe teve câncer e ela estava muito mal psicologicamente, ela tinha raspado a cabeça e ela estava se sentindo muito mal e ai eu criei um verso pra ela que falava:

“Tão bela, Ela é linda de verdade, É realmente dela, Nunca perde a validade, Ser aquela luz que vai brilhar a eternidade, E seu sorriso lindo iluminando sua vida inteira”.

E ai eu fiz com o Jhama essa música e ai ele falou “Cara vamos fazer outra música pra Anita?”, então ele disse pra gente misturar uma tipo ‘Seu Jorge’ que tem aquele negócio de verão e colocar um Beat de funk, e a gente faz uma coisa dançante, sexy que é novo e ai foi isso que a gente fez. E ai tanto quem gostava de Seu Jorge quanto de funk curtiu, a música tocava tanto num churrasco, quanto na pista de dança também. E ai caiu a fixa que eu gostaria de compor e produzir.  

LEIA TAMBÉM: Neta de Elvis Presley faz tatuagem em homenagem ao irmão falecido

4 – Você já escreveu hits de grandes cantores, dentre eles: Anitta, Luisa Sonza, Pabllo Vittar, IZA, Gloria Groove, Preta Gil e vários outros, mas qual foi a produção ou a composição mais complexa ou difícil pra você?

PABLO: Cara eu sempre cito duas composições diferentes muito complexas que é uma do BRABO e uma DOGS. O segundo disco é sempre o mais difícil porque você tem que superar aquilo que você já fez no primeiro. Então você tem uma pressão muito grande, a galera cria uma expectativa muito grande e o segundo disco da Pabllo Vittar “Não para não” que foi um dos discos mais lindos que eu já produzi e o “Vai passar mal” ele é um disco mais denso as músicas são mais tristes e ao mesmo tempo muito bonitas, o disco foi muito difícil, fizemos umas 32 versões de baladona até chegar no resultado final. E Dogs foi “Meu Talismã”, a gente já tinha feito “Pesadão” e ela estava começando ainda, mas a gente tinha “Dona de Mim” e tinha “Pesadão” e nós tínhamos que ligar tudo isso.   

5 – Um tempo atrás o produtor Gorky compartilhou uma lista no Twitter com artistas internacionais que conhece a Pabllo e que daquela lista, 5 estavam sendo produzidas. O que você pode revelar de novidade no trabalho internacional da Pabllo?

PABLO: Bom eu não sei. A Pabllo conhece muita gente e quando a gente foi produzir o “Não Para Não”, nós fomos pra Los Angeles com todo mundo, foi um processo muito legal, a gente tem um podcast agora, o “Taca Stream” e o segundo episodio foi com a Pabllo. Assim, a Pabllo é uma estrela e uma pessoa incrível, e nesse momento o mundo inteiro está ligado e eu acho isso muito legal, não só pela música, mas tudo que a Pabllo Vittar representa. Então muita coisa pode rolar!

6 – Você junto com os produtores da Brabo Music está com um podcast chamado ‘Taca Stream’. Conta um pouco mais sobre esse projeto?

PABLO: A gente sempre quis fazer esse projeto e o Brabo é um time, e eu acho que não tem outro jeito de falar; ou é Vingadores ou é Power Ranger e a gente se junta quando tem alguma coisa acontecendo na terra, nos juntamos pra resolver. E a gente sempre quis fazer o Podcast com tudo que a gente conversa e com isso falar sobre o atual cenário da música, da cultura POP, do mundo e do Brasil principalmente. E como a gente já faz parte disso, a gente quis fazer isso de uma forma mais descontraída e chamamos a Pabllo Vittar, e vamos chamar mais pessoas.   

7 – Tem música nova com a Anitta?  

PABLO: Quando fizemos “Bumbum de Ouro” da Gloria fizemos “Sedanapo” no mesmo dia, dois anos depois saiu Sedanapo. Porque quando a gente fez Sedanapo a gente não achava que o “mundo” estava preparado pra ouvir, então assim, tem muita música para muitos artistas porque tudo tem o seu momento certo.

8 – Além de todo esse casting nacional, você também já trabalhou com Major Lazer, Ciara e Charli XCX. Qual artista você sonharia em fazer uma produção ou composição um dia?

PABLO: Eu sou muito feliz com todo mundo que já trabalhei aqui no Brasil. Eu sou muito fã do Bruno Mars e queria muito fazer alguma parada com ele. E uma coisa que eu tenho muita vontade é fazer algo com a Mariah Carey. Se ela me mandasse qualquer coisa, mesmo que um “Oi Pablo” eu faria um remix e lançava porque eu adoro muito ela.

Confira a entrevista na íntegra: