Deputado do PSL volta a atacar Ludmilla por suposta apologia à maconha: “Lixo de música”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O deputado federal Cabo Junio Amaral (PSL-MG) entrou com uma representação contra Ludmilla na Polícia Federal pedindo que a cantora seja investigada por uma suposta apologia ao consumo e tráfico de drogas.

A motivação do deputado foi o lançamento recente do single “Verdinha”, onde a funkeira faz referências ao uso de maconha. Após Lud se manifestar pelo Twitter, debochando do fato “do maior problema do Brasil no momento ser uma música sobre alface”, Amaral respondeu. Nos tuítes, ele sugere que, se pudesse, “permitira a rinha entre maconheiros” e chama “Verdinha” de “crime e lixo de música”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Muitas vagas nos hospitais são ocupadas por viciados e por vítimas da violência gerada pelo tráfico. Milhões de famílias destruídas por causa das drogas e você incentivando essa desgraça. Esse lixo de música não é só mais um crime, mas uma ferramenta de tragédias no país… Se dependesse só de mim, legalizaria a rinha de maconheiro“, escreveu.

VEJA TAMBÉM: Vídeos sensuais de Anitta são publicados em site pornô

Confira abaixo:

Anteriormente, Ludmilla ficou sabendo do caso pela web e se manifestou através do Twitter: “milhões de brasileiros, desempregados, sem moradia, hospitais sem vagas, a violência predominante, poluição, a questão ambiental, a rede pública de educação miserável, mas o maior problema que o Brasil tem no momento é uma música que fala de alface. Brinca mais”.

Na ementa do deputado, o político deseja a aprovação de moção de repúdio contra a cantora por ela fazer apologia “à prática de condutas criminosas, como o plantio, a venda e o consumo de drogas”. “Ela exerce a sua influência junto aos jovens, e isso é de uma dimensão degradante imensurável. E também fui à Polícia Federal e ao Ministério Público porque é uma clara apologia ao uso, consumo e tráfico de drogas”, explicou o deputado.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio