O astro norte-americano Elvis Presley (FOTO: Reprodução)

Bem no início de carreira, em uma de suas primeiras aparições na TV, Elvis Presley se envolveu em um escândalo. Para os religiosos, seus quadris e pés dançantes eram provocação pura. Várias emissoras foram instruídas a mostrar o rei do rock apenas da cintura para cima.

Em seu auge na década de 50, Elvis tinha a vida perfeita sendo um dos astros do Rock mais famosos do mundo. De um lado, mulheres se descabelavam pelo artista; do outro, igrejas pediam que pais norte-americanos não autorizassem que seus filhos escutassem as músicas do cantor.

O baque na vida Elvis veio quando ele sofreu pela morte de sua mãe, Gladys, em 1958, mesmo ano que ele se alistou ao exército. A partir disso, o cantor começou a fazer uso constante de pesados remédios.

VEJA TAMBÉM: Sexo a três, homens e mulheres: a vida sexual de Janis Joplin

Entre os medicamentos, Elvis consumia comprimidos para tratar seus problemas já existentes de sono e sonambulismo, que pioraram após a morte de sua mãe, além de anfetaminas, que conheceu enquanto servia no exército. O astro conseguia grande parte dos remédios com seu médico, George C. Nichopoulos, o Dr. Nick.

Com o passar dos anos, o abuso dos medicamentos por parte de Elvis tornou-se alarmante. Em entrevista ao The Guardian, o próprio Dr. Nick falou sobre o vício do Rei do Rock. “Ele achava que, obtendo as drogas com um médico, não seria um viciado comum, recebendo algo da rua”, conta.

Tudo ficou mais difícil em 1973, quando o cantor se divorciou de sua amada esposa Priscilla. Depois da separação, Elvis sofreu duas overdoses, das quais uma quase o matou, deixando-o em coma por um tempo. Porém, mal sabia ele, que essas não seriam as únicas vezes.

Túmulo de Elvis em Graceland. Foto: Wikimedia Commons

Em 16 de agosto de 1977, Presley finalmente tomou tantos remédios que seu corpo não aguentou. Ele foi encontrado por sua noiva Ginger Alden no chão do banheiro de sua casa, em Memphis, no Tennessee. Naquele ano, ele já estava lutando contra um glaucoma e uma doença intestinal.

Ginger entrou Elvis no banheiro de seu quarto já sem vida. Ele tinha 14 substâncias diferentes no sangue, tomou uma overdose de analgésicos, pílulas para dormir e antidepressivos.

Horas antes do desastre, o cantor estava lendo A Investigação Científica Em Busca da Face de Jesus, que tenta reproduzir os últimos dias de Jesus Cristo.

Na autópsia, foi confirmado que Elvis Presley faleceu de arritmia cardíaca, provavelmente causada pelo coquetel de drogas encontrado em seu organismo. Em 1981, Dr. Nick foi julgado pela morte do astro do Rock, mas foi absolvido. Mas, sua reputação ficou manchada para sempre, já que muitos acreditavam que era sua culpa.