elvis presley
O astro norte-americano Elvis Presley (FOTO: Reprodução)

O impacto da morte de Benjamin Keough aos 27 anos foi, com certeza, uma das notícias mais surpreendentes nesta semana. Entre o impacto de falar sobre o neto de Elvis Presley e as incertezas em torno de sua morte, a despedida de Keough despertou uma nova onda de atenção para a família do rei do rock.

E como se fosse o próprio ‘In the guhetto’, a música destemida que contava a história de um menino nascido nos subúrbios de Chicago que acabara de ser consumido por crime e falta de amor, Benjamin se tornou outro símbolo da família de jovens amaldiçoados. Ao contrário do personagem da música (baseada, a propósito, em eventos reais), sua vida fácil – dizem os meios de comunicação – foi a que acabou destruindo-o.

Para discernir se existe ou não uma ‘maldição Presley’, assim como existe uma ‘maldição Kennedy’, outra das grandes sagas ‘fabricadas nos EUA’, seria necessário rever a vida da mulher que era a estrela (e avó do jovem). Benjamin), Priscila. Embora ela mesma tenha descrito seus sete anos de casamento com Elvis como uma espécie de provação para a fama dele, a verdade é que ela era a inveja de metade do mundo na época. “Eles me odiavam por casar com ele, me odiavam por me divorciar. Ter pessoas criticando você sem saber que você está tentando desesperadamente ser uma boa esposa, uma boa mãe e uma boa companheira foi um caminho difícil“, disse ela certa vez.

LEIA TAMBÉM: Tiago Iorc rompe o silêncio após briga com Anavitória e diz se arrepender

Depois de ser esposa de Elvis, a atriz manteve um relacionamento romântico com Marco Garibaldi de 1984 a 2006, e como resultado desse relacionamento seu filho Navarone Garibaldi nasceu em 1987. Mas nem toda a solenidade de ser a viúva não oficial de uma estrela da música a impediu de tirar sarro de seus insanos relacionamentos posteriores. O mais bizarro, aquele que a relacionou, há alguns anos, com outro ícone musical, Tom Jones.

Ele também não foi poupado de uma certa zombaria devido a seus toques faciais e sua obsessão por permanecer imune à passagem do tempo. Devido a injeções industriais de silicone, Priscilla ficou com metade do rosto deformado. Quando isso aconteceu, ele tinha 62 anos e já havia sido submetido a várias cirurgias, então foi a um cirurgião argentino acusado de negligência nos Estados Unidos.

A própria Presley acabaria denunciando-o quando visse os resultados desastrosos e passaria pelo ridículo com a mídia. Priscilla não viveu entre elogio por ter sido casada com Elvis Presley, como aconteceu com outra viúva ilustre (essa oficial) como Yoko Ono. Suas raras aparições na imprensa foram, de fato, uma espécie de punição.

Mas as anedotas e dramas de Priscilla são apenas histórias insignificantes em comparação com as de sua filha. Se a palavra ‘amaldiçoado’ puder ser aplicada a um membro da família Presley, esse membro será chamado Lisa Marie.

O primeiro infortúnio teve a ver com seu casamento sem graça com Michael Jackson, que deixou metade do mundo com raiva dele. O artista anunciou em 1994 que os dois haviam se casado em uma cerimônia íntima e privada, mas se separaram apenas dois anos depois, alegando as habituais “diferenças irreconciliáveis“. Lisa, que estrelou com seu então marido no videoclipe ‘You are not alone’ em 1995, fez comentários em várias ocasiões sobre as acusações do falecido rei do pop, defendendo-o quando o resto do mundo o acusava de pedofilia. Além de Michael Jackson, Lisa Marie se casou com Danny Keough (com quem ela tinha Benjamin), Michael Lockwood e Nicolas Cage, que eram obcecados pela figura de seu pai. Nenhum de seus quatro casamentos terminou bem. Além disso, o último divórcio produziu uma dura luta pela custódia de suas filhas.

View this post on Instagram

Mama Lion with cubs ❤️🖤💚💙🦁🥰

A post shared by Lisa Marie Presley (@lisampresley) on

Outra das armadilhas da vida de Lisa Marie tem a ver com ruína financeira. Mais de um ano atrás, ele denunciou seu ex-gerente, Barry Siegel, com quem trabalhou entre 1993 e 2006. Ele o acusa de perder a fortuna que herdaria ao administrar a vasta herança de seu pai. A razão? Siegel teria entrado em “empreendimentos arriscados na esperança de se destacar na indústria do entretenimento“. Ele também foi a pessoa que aconselhou Lisa Marie a vender 85% de sua participação na empresa que gerencia o legado do cantor, Elvis Presley Enterprises. “Ele colocou seus interesses à frente dela para se aproximar o máximo possível do investidor e do seu círculo de celebridades“, disse ela.

Após problemas legais, a trágica morte de seu filho a atingiu com força. Ela e toda a família, que ainda estão impressionadas e em choque. “Ela adorava esse menino. Ele era o amor da vida dela“, disse seu representante na segunda-feira. As primeiras indicações da morte de Benjamin apontaram para suicídio, mas a família se recusou a falar publicamente. Uma maneira de se proteger, sabendo que, sendo descendentes de uma lenda, eles sempre estarão à vista do público. Querendo ou não.