Pink Floyd
A banda britânica de rock Pink Floyd (FOTO: Reprodução)

A banda britânica de rock Pink Floyd foi mais uma das grandes bandas que surgiram nos anos 60. O disco Dark Side of the Moon, com um estridente de múltiplos despertadores tocando ao mesmo tempo, foi trilha da animação bizarra da pintura O Grito, de 1983, de Edward Munch.

O animador romeno Sebastian Cosor, criou uma versão do quadro e escolheu a canção The Great Gig in the Sky do álbum do Pink Floyd, lançado em 1973. O disco tornou-se o sexto mais vendido na história.

Munch, que criou quatro versões de The Scream, que resultaram em duas edições de tinta e duas em tom pastel, uma vez descreveu sua inspiração: “Uma noite eu estava andando por um caminho, a cidade estava de um lado e o fiorde abaixo. Eu me senti cansado e doente. Parei e olhei para o fiorde – o sol estava se pondo e as nuvens ficando vermelhas de sangue“.

Pintura O Grito de Edvard Munch, de 1893
Pintura O Grito de Edvard Munch, de 1893 (FOTO: Reprodução)

Munch continuou: “Senti um grito passando pela natureza. Pareceu-me que ouvi o grito. Eu pintei esta imagem, pintei as nuvens como sangue real. A cor gritou. Isso se tornou o grito“. “Eu estava andando por um caminho com dois amigos, o sol estava se pondo, de repente o céu ficou vermelho de sangue, fiz uma pausa, sentindo-me exausto e encostado na cerca, havia sangue e línguas de fogo acima do fiorde preto-azulado e da cidade, meus amigos continuaram, e eu fiquei ali tremendo de ansiedade, e senti um grito infinito passando pela natureza“, conta o artista.

LEIA TAMBÉM: Música de Xuxa vira febre no desafio do TikTok gringo: “Soco, Bate, Vira”

David Gilmour, do Pink Floyd, lembrou da faixa e da introdução da vocalista Clare Torry, cuja voz é fundamental para o filme de animação. “Queríamos colocar uma garota lá, gritando orgasmicamente“, disse. “Não há letras. É sobre morrer – cante um pouco sobre isso, garota“, Roger Waters mais tarde detalhou suas instruções para Torry.

A faixa, por si e só uma das mais experimentais de Pink Floyd. “Eu me reconheço na metáfora central deste trabalho, que descreve uma pessoa que é alienada e esmagada por um mundo opressivo e apocalíptico que o indivíduo desesperadamente solitário não aguenta mais“, disse o diretor do filme. “A sociedade não o entende. Por outro lado, ele não entende a sociedade“, finaliza.

Veja o incrível clipe abaixo: