elvis presley
O astro norte-americano Elvis Presley (FOTO: Reprodução)

Dixie Locke Emmons foi uma namorada de Elvis Presley desde o início de 1953 até outubro de 1955. Dixie namorava Elvis Presley em 1954, mas os seus cantores favoritos naquela época eram Dean Martin, Frank Sinatra e Peggy Lee. Elvis tinha sido atraído à igreja de Locke, Primeira Assembleia de Deus, por causa do seu amor pela música gospel e ao Blackwood Brothers Quartet, que cantava na igreja.

Em 24 de Janeiro de 1954, Dixie com catorze anos na época, reparou em Elvis numa cerimônia na igreja e, certificando-se de que ele estaria lá, fez planos com uma amiga para ir patinar no sábado à noite. “Pensei que ele era a coisa mais linda que já tinha visto. Ele era uma pessoa muito tímida, mas quando começou a cantar, dedicou-se tanto a transmitir a música que acabou se perdendo em si mesmo. Ele se jogou completamente”, diz ela. Naquela época Elvis tinha 19 anos de idade.

No sábado seguinte, Elvis foi ao Rainbow Rollerdome, onde “esbarrou” com Dixie, falando com ela pela primeira vez. Ele lhe levou para casa no seu Lincoln de 1941.

Em 16 de Fevereiro, apenas duas semanas após o seu primeiro encontro, Elvis trouxe Dixie pra casa para conhecer os seus pais. Em 26 de Fevereiro, Elvis e Dixie assistiram juntos, pela primeira vez, ao Canto do Evangelho durante toda a noite no Auditório Ellis. Elvis e Dixie passaram a se ver praticamente todos os dias durante o Verão, indo ao cinema duas ou três vezes por semana. Em 3 de Junho de 1954, Dixie deixou Memphis para umas férias em família na Florida.

A namorada de Elvis Presley revela como a fama o mudou

Aos 19 anos, o futuro Rei do Rock teve um início de carreira graças a uma gravação com a Sun Records, mas isso não o impediu de sair em busca do amor. Um relato em primeira pessoa feito por Dixie foi feito na obra Blue Suede Shoes: A Cultura de Elvis (Glitterati).

“Tive alguns amigos muito bons e próximos na escola secundária. Sexta-feira ou sábado à noite, íamos para a pista de patinagem. Íamos com bastante frequência. Eu tinha visto o Elvis na igreja. Ele tinha começado a vir à igreja onde eu tinha estado toda a minha vida, mas na verdade não tínhamos falado um com o outro. Nós repararíamos um no outro na aula da catequese. Num domingo, na igreja, ele e alguns dos rapazes estavam juntos, e algumas das minhas namoradas e eu estávamos a conversar. Eu vi-o e entrei no ouvido para que ele pudesse ouvir o que estávamos a dizer. Disse-lhe que íamos patinar no Rainbow Skating Rink no fim-de-semana seguinte e mencionei o dia e a que horas íamos e a que horas começava, na esperança de que ele mordesse a isca. No fim-de-semana seguinte, quando lá chegamos, ele estava lá. Não tínhamos falado a semana toda. Não chegamos a dizer “Quem é você?” ou “Qual é o seu número de telefone?” nem nada”.

Ele tinha lá chegado antes de nós e tinha os seus patins calçados. Ele teve de alugar patins. Eu já tinha os meus patins porque íamos com bastante frequência. Ele estava ali, agarrado a um dos pólos. Ele não era realmente um patinador. Assim que o vi, senti-me bem porque…senti que ele estava lá para me ver. Eu patinei até ele e disse: “Eu não sei se você sabe quem eu sou. O meu nome é “Dixie”. Ele disse: “Eu sei quem você é”. Eu sou Elvis”. Essa foi a nossa introdução mútua.

Dixie Locke and Elvis Presley at her junior prom in Memphis, May 6, 1955.
Dixie Locke e Elvis Presley no seu baile de finalistas em Memphis, em 6 de Maio de 1955.

“Não disse que esperava que por ele ou perguntei se nos tinha ouvido falar em patinar, porque eu sabia que era por isso que ele tinha ido. Sentávamos-nos e falávamos muito, não o tempo todo, porque eu saía, patinava e fazia coisas com as minhas amigas. Sempre que tinha uma pausa ou depois de uma canção, ia sentar-me com ele e conversávamos. Não era que não nos conhecêssemos exatamente um ao outro. Eu disse que o tinha visto na igreja. Já nessa altura sentia que tínhamos muito em comum, devido à nossa ligação à igreja. Os Blackwood Brothers tinham-se mudado de Iowa para Memphis e começaram a vir à nossa igreja. Ambos adorávamos música gospel. Tivemos muito que falar sobre esse assunto. Ele tinha acabado de terminar o colegial, e eu ainda estava na escola. Foi uma conversa de adolescentes. Gostamos tanto da companhia um do outro que, quando chegou a altura de ir para casa depois da primeira sessão de patinação, lembro que acabou às 10:00 e decidimos ficar para a sessão noturna durante as próximas horas”.

Disse às minhas amigas que ia ficar porque Elvis perguntou se me podia levar para casa. Na altura, não queria ir para casa porque estávamos gostando de conversar e de nos conhecer melhor. Havia uma pequena cabine de ligação na pista de patinagem. Disse ao Elvis que tinha de entrar e telefonar aos meus pais para ver se podia ficar para a sessão noturna. Fui até ao telefone e fingi que o fiz”

Fui até ao telefone e agi como se estivesse a telefonar aos meus pais. Nem sequer tinha um telefone, o que era tão estranho naquela época. Os meus tios viviam próximo, quando queríamos usar o telefone, íamos a casa deles. Agi como se estivesse a telefonar aos meus pais e disse que ia ficar para a sessão noturna se não houvesse problema e que um amigo da igreja nos ia levar para casa. Falei que duraria até às doze horas. Agi como se os meus pais me tivessem dado autorização.

Dixie Locke e Elvis Presley

Conversamos e ficamos mais um pouco. Depois fomos a um drive-in em South Memphis, que era de onde eu era – a parte sul da cidade. Ele era do Norte, não muito longe de onde eu vivia. Sentamo-nos e falamos, e ele falou-me do seu trabalho, da sua família. Não foi um pouco estranho porque ambos sentimos que já nos conhecíamos um ao outro. Tínhamos tanto em comum. As nossas famílias eram tão semelhantes e eram pessoas trabalhadoras. A minha mãe era uma dona-de-casa. Passamos bons momentos a conversar e a conhecer-nos. Ele perguntou-me se eu podia sair na semana seguinte, quando me levou para casa. Eu disse-lhe que sim e dei-lhe o número de telefone da minha tia. Eu disse: “Vai ter de telefonar e eu vou ter de ver o que os meus pais dizem sobre isso”. Ele era apenas um tipo simpático e bonito. Houve um beijo mágico nessa noite, quando chegamos a casa. Foi quase casual. Tive de me correr para dentro de casa porque os meus pais estavam dormindo”.

“Ele ligou dois ou três dias depois, e o meu primo veio da porta ao lado para me dizer que alguém estava ao telefone por mim. Começamos a andar juntos em Janeiro de 54, e namoramos bastante até o lançamento do seu primeiro disco. Estivemos juntos três ou quatro noites por semana. Desde Janeiro de 54 até o baile de formandos em 55 – ainda namorávamos nessa altura. Ele começou a viajar. Ele já viajava muito nessa altura, mas voltou para casa para o meu baile de formandos em 1955. Nessa altura, ele tinha tantas exigências e uma agenda tão sobrecarregada. Ele também veio à minha graduação em 1956. Mantivemos um bom vínculo estreito entre nós. Tínhamos falado em casar, mas, quando as suas gravações foram lançadas, percebemos que isso não ia acontecer.

Em 5 de Julho de 1954, Elvis gravou “That’s All Right”.

Em 18 de Julho, ao fim da tarde, a família Locke regressa das suas férias na Florida e, enquanto dirigiem para Memphis, a jovem Dixie, ouve “Blue Moon of Kentucky” no rádio do carro. Ela sabia que Elvis tinha estado a gravar na Sun Records. “Eu sabia o que se estava a passar, mas nem ele nem eu tínhamos ideia da sua magnitude“. Recebi um telegrama dele a dizer: “Estão tocando os meus discos na rádio”. Ele ficou extasiado com isso. Era quase como não acreditar que os radialistas o tocariam”, diz Dixie Locke.

Dixie namorou Elvis durante cerca de dois anos depois, durante os quais tocou em pequenos concertos e clubes. “Não creio que houvesse muito dinheiro envolvido nisso. Nas primeiras semanas e meses, foi mais como “o rapaz da cidade natal que se deu bem”. “Ele ainda era totalmente inocente e espontâneo. Não havia um tom orgulhoso ou vaidoso no seu jeito”.

Elvis frequentou a escola com Dixie Locke em 1954 e 1955 no South Side High School. Posteriormente, eles afastaram-se lentamente. “Foi uma coisa mútua. A sua carreira ia numa direção e eu não sentia que pudesse fazer parte dela. A sua carreira consumiu-o ali, e não havia muito tempo para mais nada”. Dixie Locke casou posteriormente e é agora conhecida como Dixie Locke Emmons.

No DVD ‘Elvis Presley Classic Albums’ Dixie Locke apresentadora algumas recordações encantadoras sobre a época e somos apresentados também a alguns filmes antigos fascinantes de Memphis & Beale Street. Algumas grandes filmagens da igreja também ajudam a demonstrar a importância da música Gospel para o novo som de Elvis.

Último trem para Memphis

Durante anos, Dixie Locke não deu entrevistas. Ela não queria banalizar a memória do seu primeiro amor, nem deixar que se tornasse o acontecimento que a definiu. E certamente não queria abrir a sua vida privada ao julgamento público, depois de ter visto o que muito disso pode fazer a uma pessoa. Foi Peter Guralnick que finalmente convenceu Dixie Locke a gravar suas recordações e, em 1990, os dois sentaram-se com um gravador na cave da mesma igreja que ela e Elvis tinham frequentado quando eram adolescentes. Ela contou-lhe a história toda, desde a noite em que conheceu Elvis no Rainbow Rollerdrome até à última vez que o viu, em Graceland, no dia a seguir ao funeral da mãe dele. A entrevista tornou-se a pedra angular da biografia de Elvis de dois volumes de Guralnick. “Ela foi tão honesta e contou a história de forma tão eloquente” diz o jornalista. Depois, foi quase como se ambos nos tivéssemos afastado do ideal sagrado como se tivéssemos feito algo de errado. Porque tinha esse grau – penso que pelo menos na minha perspectiva – tinha esse grau de investimento emocional”.

Elvis Presley era pedófilo?

Segundo um livro sobre a vida do cantor americano Elvis Presley, publicado em 2014, ele revela que o artista era pedófilo e que gostava de ter namoradas com menos de 15 anos, quando ele já tinha 22 anos.

O autor do texto, Joel Williamson, garante que o rei do Rock and Roll levou três garotas de 14 anos com ele em turnê. Williamson também alega que Presley traiu sua namorada Dixie Locke.

Elvis teria várias mulheres menores de idade, incluindo sua esposa Priscilla. O casal se conheceu em Bad Nauheim, Alemanha, durante sua carreira no exército, quando ela tinha apenas 14 anos e ele 24. Segundo o livro, quando eles se casaram, na noite de núpcias, Elvis “fez amor com ela de todos os jeitos , mas não houve penetração. Era como se a virgindade de Priscilla fosse algo que Elvis precisava manter.”

VEJA TAMBÉM: Anitta dança de biquíni com Gui Araújo e recebe tapinha no bumbum

Joel Williamson também afirma que o cantor estava “obcecado com a virgindade” e que dormiu com duas mulheres de 26 anos que, alegavam ser virgens. Dizem até que, depois de casado por cinco anos, Priscilla foi quem pediu o divórcio e tal situação incomodou tanto Presley que ele não hesitou em abusar sexualmente dela.

Assim, a história de amor entre Elvis e Priscilla terminou de forma humilhante, com estupro conjugal”, escreve o autor.

Elvis Presley, considerada uma das figuras mais importantes do século XX, iniciou sua carreira musical em 1954. Graças à sua voz versátil, ele pôde se aventurar em vários gêneros, como country, pop, baladas, gospel e blues, alcançando sucesso total. .

Williamson também detalha um incidente em que Elvis dormiu com uma fã enquanto estava no Louisiana, para se apresentar no programa Louisiana Hayride, em 1954. O preservativo furou-se durante o ato. Sem saber o que fazer, Elvis perguntou às pessoas da sua turnê como proceder, mas eles também não faziam ideia. Na manhã seguinte, Elvis informou os amigos que tinha levado a moça às urgências de um hospital, deixando-a lá para receber uma lavagem íntima.

Enquanto isso, ele continuava a ligar obsessivamente à sua eterna namorada de 15 anos, Dixie Locke, que adorava vestir com roupas que ele próprio escolhia.

Imagem

Em agosto de 1977, Elvis foi encontrado morto no chão do banheiro. O cantor morreu de infarto agudo do miocárdio aos 42 anos.