O astro norte-americano Elvis Presley (FOTO: Reprodução)


Em 8 de Janeiro de 1935, Gladys Presley deu à luz dois filhos gêmeos. Jesse Garon e Elvis Aaron numa cabana de caçadeira em Tupelo Mississippi. Jesse Garon contudo já nasceu morto. O biógrafo de Presley Peter Guralnick confirmou que o bebê foi natimorto. Jesse Garon Presley foi enterrado numa caixa de sapatos numa sepultura sem marcas no cemitério de Princeville, no leste de Tupelo.

Elvis Aaron viveu, e era feliz e saudável. Uma testemunha ocular no livro de Elaine Dundy “Elvis & Gladys”, afirma Jesse foi colocado numa caixa sobre uma mesa enquanto Gladys dava à luz Elvis. Os vizinhos que passaram pelo local para prestar os seus respeitos, não conseguiram descrever a criança falecida. Não se sabe se Jesse e Elvis eram ou não gêmeos idênticos. Ele foi então preparado para o enterro no cemitério e colocado para descansar para todo o sempre. Existe uma discrepância histórica na impressão em relação ao seu local de sepultura.

Elvis Presley e seus pais Gladys e Vernon (FOTO: Reprodução)

Em muitos livros, é referido que não existe um marcador, e noutros livros é referido que existe um marcador “não marcado”. Elvis sofreu muito ao longo da sua vida ao ser um gêmeo sem gêmeos. A condição é desoladora e mais ou menos, intratável.

Pesquisas apontam que gêmeos têm uma ligação dentro do útero que é insubstituível quando um gêmeo morre, acrescentando assim dificuldade à infância do gêmeo sobrevivente. É provável que isto tenha contribuído para alguns traços de personalidade de Elvis, pontos fortes, fraquezas, etc.
Os restos mortais de Jesse Garon nunca foram transferidos para Memphis. Até hoje, ele ainda está enterrado numa sepultura não marcada em Tupelo.
Uma lápide em sua honra encontra-se em Graceland.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Jesse-Garon2.jpg
(FOTO: Reprodução)

A lápide não é colocada ao lado do seu pai, mãe, irmão e avó. Depois deste traumático parto, Gladys não pôde mais engravidar e ter filhos. Elvis viria a ser então o único filho do casal Gladys e Vernon. Este é um dos fatos mais desconhecidos sobre Elvis Presley – depois do enigma em torno de sua morte que após 40 anos pra muita gente ainda suscita dúvidas – é a sua relação com o seu gêmeo Jesse Garon Presley. Esta questão continua a intrigar e surpreender os seus biógrafos ano após ano. Elvis e Jesse poderiam ter sido os reis irmãos do rock and roll causando inveja em duplas que entraram pra história da irmandade na música como ACDC, Beach Boys e Oasis.

(FOTO: Reprodução)

É difícil, no entanto, especificar que impacto – se é que teve algum – o gêmeo morto de Elvis teve na história do próprio músico na infância. Elaine Dundy é a biógrafa que em teoria a visão mais intuitiva sobre Elvis segundo o jornalista e pesquisador Paul Simon. As recriações de seus humores e sentimentos são muito mais convincentes do que os monólogos interiores robóticos que marcam a biografia magisterial do Rei do Rock feita por Peter Guralnick. E a obra argumenta que ele se sentiu culpado, enlutado e triunfante, especialmente quando percebeu, com prazer, que o seu primeiro nome era um anagrama de “vidas” (trocando-se as letras de “elvis” pode-se ler “lives”). Ela até cita um especialista em caligrafia que vê, na recusa do garoto Elvis – até à adolescência – em assinar o seu nome do meio com um A maiúsculo, provas da sua contínua sensação de perda.

Would Jesse Presley (Elvis's twin) have been a better singer than ...
(FOTO: Reprodução)

Alan Bleasdale, cujo drama musical “Are You Lonesome Tonight?” é uma das mais profundas explorações da psique de Elvis, sugere que a morte de Jesse deixou o seu irmão sobrevivente psicologicamente incompleto, explicando a extraordinária passividade e estranha falta de auto-confiança que Sam Phillips notou.

VEJA TAMBÉM: Segredo íntimo de Elvis Presley vem à tona 40 anos após sua morte

Vernon Chadwick, autor do livro “In Search Of Elvis”, concorda com Bleasdale que o gémeo perdido é a chave para a compreensão de Elvis. Ele disse à revista Time: “Nós sabemos que os gêmeos que perdem o parceiro, muitas vezes sofrem muitos problemas e distúrbios na vida posterior. O tema do gêmeo de Elvis pode nos ajudar a entender tanto o grande poder que Elvis teve de se conectar com um público como se ele estivesse se conectando com seu irmão ausente, como também o vazio do chamado “buraco negro” que os gêmeos solteiros muitas vezes experimentam. Parentes e amigos de Elvis em Tupelo declararam que Elvis se sentiu culpado pela morte de seu irmão gêmeo, Jesse Garon. É muito provável que esta culpa tenha desempenhado um papel no comportamento disfuncional posterior de Elvis”.

Psicólogos consultados por Paul Simon concordam com Chadwick que a perda de um gêmeo poderia ter sido de profundo significado, mas revelam que Elvis é um enigma muito grande para ser decodificado por referência a um único evento ou questão.

Elvis Presley's Twin Brother Could Be Alive? Conspiracy Theorists ...
(FOTO: Getty Images)

As pessoas que ele melhor conhecia estão igualmente divididas. Para cada amigo como Larry Geller ou membro da família como Billy Smith que insiste em pensar frequentemente em Jesse, há um membro da Máfia de Memphis que, com grande franqueza fica totalmente perplexo com a ideia de que Elvis até contemplou o seu gêmeo, quanto mais falar com ele ou visitar o seu túmulo.

Elvis perpetuou o mistério porque, tal como JFK, foi um mestre na edição da sua personalidade para se adequar ao seu público. Este processo foi acentuado pelo arco peculiar da sua carreira em que foi comercializado em série como muitos Elvis diferentes: o rebelde, o romântico, o regular, o rei de Las Vegas, o rapaz sorridente do lado, o adolescente perturbado que queria ser James Dean. No seu mais extremo, isto deu-nos o gêmeo diametralmente oposto a Elvis: o mulherengo sensual e sensual do rock and roll e o cantor de gospel com alma que cantava a música de Deus com tanta pureza e paixão que é difícil ouvir canções como He Touched Me e não ser influenciado pelo poder absoluto da sua fé óbvia e profunda.

Você realmente conhece Elvis Presley? | Quizur
(FOTO: Reprodução)

A perda de Jesse Garon pode ser parte do caminho para explicar o mistério de Elvis. Um aspecto do seu extraordinário apelo – que Chadwick toca no seu diagnóstico – foi a sua vulnerabilidade secreta. Pode ser por isso que tantos milhões sentiram, quando ele morreu, como se tivessem perdido um membro da família. Havia uma aura sobre Elvis que atingiu até um observador tão experiente da espécie humana como o realizador de cinema Sidney Lumet. Ele dirigiu Marlon Brando em Orpheus Descending, uma peça de Tennessee Williams que parece, como Dundy salientou, dever o seu personagem central a Elvis. Mas depois de ver Elvis num cenário, ficou perturbado com o que ele via como um “espírito inquieto e não desumano” que “nunca estaria em repouso em lugar algum”.

Em seus últimos anos, é claro que Elvis não estava em repouso. Ele continuou à procura de respostas de livros e mentores mas, como Lumet previu, nunca encontrou a verdadeira paz. Apenas um corajoso – ou um estúpido – conhecedor ousaria dizer o quanto isso se devia à perda de Jesse, à morte prematura da sua mãe ou ao colapso do seu casamento. Isso é um grande trauma para qualquer homem, quanto mais para alguém que, por acaso, também é o homem mais famoso do mundo.

Mas à medida que aprendemos mais sobre a mente humana, torna-se mais claro que a infância pode ter um impacto devastador nas nossas vidas e nas nossas personalidades, afectando-nos de formas que nós – e os nossos entes queridos – nem sequer reconhecemos. E essa primeira perda amarga deve ter dado a Elvis Presley tanto um poderoso sentido do destino – a sua sobrevivência deve, ele provavelmente sentiu, ter sido para um propósito.