John Lennon
O legendário cantor britânico John Lennon (FOTO: Reprodução)(FOTO: Reprodução)

Após o fim dos Beatles ficou evidente que Paul McCartney e John Lennon tinham uma relação fracassada, para dizer o mínimo. No entanto, depois das rusgas, os dois amigos de infância felizmente reacenderam a sua irmandade e ficaram novamente em condições próximas pouco antes da morte prematura de John.

A morte de Lennon atingiu por completo McCartney lhe causando uma dor que ainda ressoa quase 40 anos após a trágica morte. Dada a grave tragédia do incidente, o assassinato do seu colega de banda e confidente criativo mais próximo foi quase demais para McCartney. Contudo, um fator de recuperação para o astro britânico foi que a dupla tinha finalmente resolvido as suas rixas pessoais antes da partida do amigo.

VEJA TAMBÉM: Vídeos sensuais de Anitta são publicados em site pornô

McCartney levou algum tempo a expressar publicamente o seu verdadeiro amor por Lennon. Após a tragédia, o seu primeiro instinto foi canalizar a sua dor para a canção, algo que ele fez na pungente canção do disco Tug Of War intitulada ‘Here Today’ – que é sem dúvida o ponto alto do álbum. Sobre a canção, McCartney imagina uma conversa que poderia ter tido com Lennon enquanto jogavam uma espécie de voleibol verbal. Para se certificar da sua autenticidade, Paul recorreu à ajuda do antigo produtor dos Beatles, George Martin, para ajudar a guiá-lo nas palavras adequadas.

Em 2004, Macca falou com The Guardian sobre a faixa e como ainda dói tocar a musica ao vivo: “Pelo menos uma vez numa turnê, essa canção acaba me pegando”, disse ele. “Estou a cantá-la, e acho que estou bem, e de repente percebo que é muito emocional, e John foi um grande companheiro e um homem muito importante na minha vida, e tenho saudades dele, sabe? Aconteceu no primeiro espetáculo, em Gijon: eu estava bem, e dei por mim a fazer uma coisa que tinha feito nos testes de som, repetindo apenas uma dos versos: ‘Amo-te, amo-te, amo-te’. Fiz isso e pensei: ‘Isso é bom – isso funciona’. E depois vim para terminar a canção, para fazer o último verso, e foi, ‘Oh merda – me perdi completamente'”.

The Beatles - Paul McCartney - John Lennon, live in 1965

Só em 1984, cerca de quatro anos após o assassinato de Lennon, é que Paul McCartney iria abordar a sua relação com o seu parceiro de composição. Durante uma entrevista com Joan Goodman da Playboy, uma reunião em que o antigo Beatle detalhou a sua última conversa com o seu irmão de banda, disse ele: “Isso é uma coisa agradável, um fator de consolo para mim, porque sinto que foi triste nunca nos sentarmos e superarmos as nossas diferenças. Mas, felizmente para mim, a última conversa telefônica que tive com ele foi realmente fantástica, e não tivemos qualquer tipo de explosão. Poderia ter sido facilmente um dos outros telefonemas quando explodimos um com o outro e desligávamos o telefone”.

Paul McCartney falou então sobre o telefonema com mais profundidade, revelando: “Foi apenas uma conversa muito feliz sobre a sua família, a minha família. Desfrutar muito da sua vida; Sean foi uma parte muito grande da mesma. E a pensar em prosseguir com a sua carreira. Lembro-me que ele disse: “Oh, Deus, estou como a tia Mimi, a descansar por aqui no meu roupão” e acrescentou, “a alimentar os gatos com meu roupão e a cozinhar e a pôr uma chávena de chá. Esta dona de casa quer uma carreira!’ Era o momento certo para ele. Ele estava prestes a lançar Double Fantasy”.

É um alívio abençoado que os dois co-fundadores de The Beatles, que tinham passado juntos por tanta coisa juntos, tenham conseguido ressuscitar a sua amizade antes que fosse tarde demais, sendo a melhor parceria de todos os tempos com uma composição de canções mais próxima do que tinham estado em muitos anos, o que é um verdadeiro atestado da relação de irmãos que compartilhavam (Joe Taysom).