O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Matthew Rolston)

Imagens da última apresentação de Michael Jackson no palco apenas dois dias antes de sua morte mostra a estrela executando rotinas perfeitas com um exército de dançarinos de apoio.

Subindo ao palco do Staples Center em Los Angeles, Michael Jackson estava em chamas.

A estrela de ‘Man In The Mirror’ estava ensaiando para sua próxima residência de 50 shows em Londres, ‘This Is It‘, seria seu grande ‘retorno’ que deveria começar em apenas 20 dias na arena O2.

Entretanto, Michael, não viveu para ver o evento no Reino Unido acontecer. Apenas dois dias depois, em 25 de junho de 2009, a estrela foi encontrada morta em sua casa em Holmby Hills, Los Angeles.

The star was at his best, showing off his signature powerful dance moves, the huge range of his voice and dominating the stage in the way only the King of Pop could.
(FOTO: Reprodução Youtube)
Performing 'They Don't Really Care About Us' from the singer's HIStory album, Michael took to the stage with eight backup dancers for an energetic and note perfect rendition of the emotional song.
(FOTO: Reprodução Youtube)

Tocando ‘They Don’t Care About Us’ do álbum HIStory de 1995 do cantor, Michael subiu ao palco com oito dançarinos de apoio para uma interpretação energética e perfeita da música emocional.

VEJA TAMBÉM: Cardi B fala sobre música com Anitta: “Eu amo funk brasileiro”

A estrela estava no seu melhor, exibindo seus poderosos movimentos de dança característicos, o enorme alcance de sua voz e dominando o palco de uma forma que apenas o Rei do Pop poderia.

A filmagem, no entanto, chega a um final de partir o coração. Quando o ensaio de 1:53 minuto termina, a estrela fecha os olhos, vira o rosto para cima e sorri suavemente enquanto as luzes escurecem ao seu redor – trazendo um final altamente emocional para a última filmagem conhecida da estrela.

Dorian Holley, o diretor vocal da próxima turnê de Jackson, deu uma visão sobre os movimentos da estrela nos últimos dias antes de sua morte, dizendo que Michael ficou maravilhado com os cenários incríveis que foram montados para a turnê que se aproximava.

Ele estava brilhando, e você podia ver, que ele finalmente estava vendo tudo se encaixar”, disse Dorian à revista Time apenas três dias após a notícia chocante da morte da estrela.

Até [um dia antes de sua morte], sempre tinha sido [apenas um conceito], mas naquele último dia você podia ver nele, que ele estava vendo o show finalmente se concretizar pela primeira vez. Foi um grande momento.

Ele subia ao palco com esse grupo de dançarinos, todos na casa dos 20 anos, mas você não conseguia tirar os olhos dele … Muitas de suas canções têm seis ou sete partes, e ele costumava vir se estivéssemos perdendo uma nota importante em nossa mixagem, ele cantava em todas as partes rapidamente para nos mostrar o que queria. Nós apenas sentávamos lá com nossas mandíbulas abertas – era incrível”, lembrou Dorian.

“Ele ainda podia fazer tudo … A única diferença agora era que ele às vezes falava sobre como isso o deixava dolorido. Desta vez, tínhamos a tecnologia para isolar apenas seu microfone e ouvir seu canto separado de todo o resto. Eu não tinha ideia de como ele era um gênio.

A maneira como ele é capaz de usar sua voz como instrumento de percussão, letrista, cantor de jazz, tudo ao mesmo tempo. Tenho certeza de que, à medida que as pessoas explorarem suas obras nos anos que virão, elas descobrirão o quanto está lá“. ele disse.

Dorian, que estava trabalhando com Michael Jackson desde 1987, disse que havia algo diferente sobre ele enquanto ensaiava nos dias que antecederam sua morte, que a estrela era de alguma forma mais complacente.

“Parece quase loucura dizer que o programa não era sobre ele, mas … ele o colocava em perspectiva o tempo todo, dizendo: ‘É para isso que estamos aqui, para espalhar uma mensagem de amor e cuidar do planeta, que queremos que as pessoas entendam que é muito, muito querido e não o considerem garantido’.

Dorian Holley lembra que o Rei do Pop estava ‘se preparando para levar o mundo de volta‘ e durante a última noite do cantor – poucas horas antes de sua morte – ele finalmente soube que estava pronto.

Você poderia pensar que, por um lado, o mundo meio que o derrotou, e você poderia perdoá-lo por ter um pouco de receio e medo. Mas ele não tinha nada disso”, lembra o diretor vocal.

As palavras não conseguem descrever o que as pessoas teriam visto com a turnê. Ele estava pronto para mostrar ao mundo, e eu gostaria que houvesse apenas um show para que o mundo tivesse visto.”