beyoncé
A cantora Beyoncé. (FOTO: Reprodução)

Sabemos que o álbum visual “Black is King”, de Beyoncé, lançado com exclusividade pelo Disney+, levanta discussões importantes sobre a cultura negra e a pluralidade da África. Mas, agora a produção conseguiu ir ainda mais longe ao inspirar a criação de um curso na renomada Universidade de Harvard.

O curso “Black is Queen: O Divino Feminino em Kush”, ministrado pela professora Solange Ashby, será usado para discutir o poder feminino dentro da sociedade Kush, atualmente localizada ao norte do Sudão.

A professora irá tratar sobre como as sociedades antigas da África entendiam o poder feminino e as músicas do filme “Black in King” serão utilizadas para ressaltar a importância da rainha mãe africana dentro de seu reino e sua família real.

VEJA MAIS: Ironia? Preta Gil posa de biquíni e uso de Photoshop diverte a web

Beyoncé: entenda 'Black is king', o álbum visual que a cantora lançou na  sexta-feira - Jornal O Globo
Beyoncé em “Black is King” (FOTO: Reprodução)