michael jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução_

Do jornalista Pez Jax: Em 2019 quando muitos esperavam que o documentário ‘Thriller’ de Spike Lee concluísse a trilogia dos bastidores dos discos de maior sucesso de Michael Jackson, os fãs receberam um documentário bem diferente.

Após um filme difamatório e impreciso, com uma narrativa singular sendo lançada no início de 2019, a conversa sobre acusações contra Michael Jackson voltou a ser um ponto focal da mídia. Com o filme optando por apresentar alegações que já foram desmascaradas, com nenhuma evidência para apoiar afirmações e nenhuma voz para as informações doutro lado; formou-se um vácuo que precisava desesperadamente ser preenchido com informações verdadeiras, usando os fatos como sua fonte. 

O filme Square One nos leva de volta à primeira alegação de abuso infantil contra Michael Jackson e a coloca sob um microscópio muito necessário. Através de uma exploração cronológica, o diretor Danny Wu demonstra de forma coesa como Jackson realmente se tornou vítima de extorsão por Evan Chandler.

Diretor Danny Wu. (Foto: Reprodução)

Desconsiderando qualquer contribuição do sentimento para se concentrar completamente nos fatos, Wu recorreu à ajuda de Charles Thomson, um jornalista investigativo premiado, que usa sua personalidade calma e concisa para fornecer uma visão geral dos eventos que ocorreram.

A contribuição de Thomson realmente ajuda a elevar o documentário, pois ele usa inúmeras horas de pesquisa e amplo conhecimento para apresentar a linha do tempo em termos leigos. Talvez um dos momentos mais informativos tenha sido quando Thomson explicou as diferenças entre o julgamento Civil e Penal e explicou como Jackson e sua equipe foram inflexíveis quanto ao primeiro julgamento – quando simplesmente, Jackson quis levar as acusações aos tribunais criminais e enfrentar o caso. Os familiares de Chandler queriam que o caso civil precedesse, garantindo primeiro o dia de pagamento. Os Chandlers tiveram a chance de levar Jackson a um tribunal criminal após a resolução da ação que eles impuseram contra Jackson porém, curiosamente eles escolheram não fazê-lo.  

Ex-Secretária Jurídica de Barry Rotham, Geraldine Hughes. (Foto: Reprodução)

Wu também fornece contas em primeira mão informações sobre o sobrinho Taj Jackson na sessão de fotos da capa do single ‘Why’ e Geraldine Hughes, que atuou como secretária jurídica do advogado de Chandler, Barry Rothman. Assim como as fãs de Jackson, Caroline Fristedt e Jenny Wining, também passaram o dia em Neverland com a suposta vítima Gavin Arvizo na data em que ele alegou que o abuso ocorreu e, posteriormente, foram adicionadas à lista de testemunhas no julgamento de 2005. 

O documentário também apresenta Josephine Zhony ao mundo. Zhony, um especialista em relações públicas freelance, estudou na Universidade de Nova York como estudante de Administração em Música, um curso que a suposta vítima Jordan Chandler também fez. 

O que é vital no relato de Zhony é que ela nunca afirmou ter sido confidente de Chandler, nem afirmou que Chandler alguma vez discutiu sua conexão com Michael Jackson com ela. Ela afirmou claramente como os dois caminhos se cruzaram e onde surgiu uma interação relacionada a Jackson. 

O sucesso do documentário de Wu reside em sua capacidade de delinear as circunstâncias em uma clara linha do tempo dos eventos, enquanto consegue cobrir outros capítulos importantes, como o sofrimento de Jackson por vitiligo e lúpus, explica a polêmica com LaToya Jackson e o uso de Amytal de sódio – todos os quais remetem à cronologia que Wu apresenta.

O Square One realmente leva você de volta ao fundamento dessas alegações e discute o material de origem de onde Leaving Neverland toma partido. A fantasia desacreditada produzida pelo jornalista chileno e pela fraude de Victor Gutierrez, já em 1986 iniciou uma campanha para apresentar Jackson como pedófilo, quando era garoto-propaganda do NAMBLA.

Isso demonstra o inegável envolvimento de Gutierrez a todo e qualquer personagem obscuro que tente envolver Jackson a esses crimes hediondos.

A extensa pesquisa de Wu e Thomson pode ser totalmente apoiada por documentação legal, testemunhos e fatos irrefutáveis. A gravação das intenções de Chandler, que também aparecem em Square One, deveriam ter servido como uma arma há muitos anos. Agora, assumindo seu lugar na linha do tempo, pode-se ver exatamente como Evan Chandler procurou extorquir dinheiro de Jackson.

Tem sido questionado por alguns sobre como Square One foi capaz de desafiar a narrativa apresentada em Leaving Neverland e na verdade é muito fácil de explicar. A única razão pela qual a mídia e o público são suscetíveis a acusações contra Jackson é por causa da primeira acusação. Ao provar a primeira acusação era falsa, o restante precisa ser questionado e examinado. 

“Não se trata de Michael Jackson”, afirmou o criador de Leaving Neverland, apesar do título completo do filme ser ‘Leaving Neverland: Michael Jackson and Me’ – uma declaração que ele contradiz através de suas próprias atitudes a cada ação. No entanto, Square One realmente não é sobre Michael Jackson. Trata-se de tudo o que estava acontecendo ao seu redor na época, usando fatos para conduzir a narrativa.

Em uma época em que facções do movimento Me Too continuam tentando reprimir qualquer pessoa que use evidências fatuais ao contestar uma acusação, Square One serve como um lembrete severo da importância dos fatos, porque no caso de Jackson eles demonstram claramente o outro lado da história, cujo nenhum “impulso de compartilhar’ pode negar. Trata-se de lidar com extorsão – que é exatamente o que as reivindicações de 1993 apontavam.

Embora Square One possa não ter a plataforma que outros filmes receberam no ano passado, sua distribuição no Youtube (e agora na Amazon) reflete a atitude atual de livre conhecimento e compartilhamento de informações para todos. Assumir os compromissos financeiros de produção permitiu a Wu criar um documentário livre de preconceitos corporativos ou de agenda convencional, em uma das plataformas mais acessíveis do mundo – pode não atingir as massas, mas as pessoas certas – as pessoas que procuram pela verdade, dispostos a abrir suas mentes, interessados ​​em fatos sobre sentimentos. 

VEJA TAMBÉM: Ex-Oasis Liam Gallagher resolve cancelar casamento: “Não vou casar usando máscara”

Para quem investiu 4 horas em um filme de fantasia construído, emocionalmente manipulador e perturbado; assista à Square One. A verdade não precisa de 4 horas (ou qualquer que seja o tempo de execução atual devido às várias reedições devido à alegação de que os acusações são falsas) e você aprenderá exatamente porque outras pessoas pensam que acusar Jackson é uma via financeiramente viável.

No caminho inverso do documentário problemático da HBO, o filme apresenta dois homens e suas histórias manipuladas pela busca de milhões de dólares dos herdeiros de Jackson. “Square One” aborda a história das acusações do Caso Jordan Chandler trazendo informações nunca antes reveladas.

O filme estreou nesta sexta-feira (dia 12) e segue disponível para assinantes da Amazon Prime Brasil

Confira o trailer abaixo: