A cantora fluminense Anitta (FOTO: Reprodução)

Após bastante espera por parte dos fãs, Anitta finalmente anunciou o lançamento do single “Me Gusta”. A faixa deverá ser, oficialmente, o primeiro single de seu novo álbum voltado ao mercado internacional com canções em inglês, português e espanhol. O aguardado disco é produzido pelo hitmaker Ryan Tedder conhecido por sucessos ao lado de Beyoncé, Adele e com sua banda OneRepublic.

Numa postagem no Instagram, a carioca anunciou que o single chegará na sexta-feira da próxima semana (dia 18). As informações sobre a música em si são escassas, mas sabe-se que é uma parceria internacional com um grande nome latino. A pandemia do coronavírus obrigou Anitta a mudar completamente seus planos de lançamento, que incluíam uma apresentação no festival Coachella.

View this post on Instagram

1 semana / One Week Are you ready?

A post shared by Anitta 🎤 (@anitta) on

Em uma entrevista recente ao jornal colombiano El Tiempo, Anitta revelou que esta próxima aposta musical será uma parceria com o rapper Myke Towers, de Porto Rico. Para a alegria dos fãs, a música já tem clipe e tudo. A gravação aliás, foi feita em Salvador antes do último Carnaval.

Tem uma proposta completamente fresca: é uma fusão de ritmos, que traz muito do Brasil. Não sabemos se as pessoas vão gostar ou não. Estamos assumindo um risco cultural. Gosto assim. A intenção do meu trabalho internacional é mostrar a cultura brasileira ao mundo, mas isso tem que ser passo a passo. Não se pode chegar de uma vez fazendo loucuras, sem planejar.”

VEJA TAMBÉM: Katy Perry diz que filha mostrou dedo do meio em ultrassom: “Essa é a minha garota”

Assim que a cantora gravou o clipe, ela concedeu uma entrevista ao SBT e revelou que “Me Gusta” era uma mistura do pagode baiano com a música urbana latina. Por isso, a escolha por gravar o clipe em Salvador. Na entrevista, Anitta destaca que o Brasil é um país isolado musicalmente na América Latina, por não falar espanhol. O idioma conecta a maior parte do continente, mas não o Brasil.

Culturalmente, somos muito parecidos, mas a língua cria essa separação que nos faz sentir distantes. E acredito que a música está fazendo o trabalho de romper essa fronteira e nos misturar mais. Foi assim quando gravei com Maluma e depois com J Balvin. Quando nos juntamos, compartilhamos nossos públicos. Isso nos faz entender que unirmos nos faz mais fortes.”

Veja a entrevista: