A cantora carioca Anitta (FOTO: Reprodução)

Mais internacional que nunca, Anitta cedeu uma entrevista para a Playboy da Colombia e fez várias revelações sobre sua carreira e até falou sobre Pabllo Vittar!

A cantora comentou sobre suas colaborações internacionais, como J Balvin, Major Lazer, Alesso e Poo Bear: “Acho que tenho que aproveitar meu momento. Acredito que este é um momento importante para mim e que pode não acontecer mais, pois tem sido incrível: Por que não arriscar?”.

“Gosto de experimentar coisas novas e se não correrem bem ou não derem certo também está bom, tem de tentar de novo. Acredito que as pessoas têm muito medo do fracasso, por isso deixam de fazer muitas coisas, mas não há razão para ter medo do fracasso”, disse.

VEJA TAMBÉM: Ruiva, Katy Perry lança vídeo de “Champagne Problems” para projeto visual

E ainda continuou: “E o que é fracasso? O que as pessoas falam mal de você? Isso não deve mudar quem você é. Seu talento, seu jeito de fazer e sua dedicação, é você, não é o que as pessoas falam, isso pode virar feedback e saber o que elas querem”.

Falando sobre Pabllo Vittar, Anitta contou que foi ela quem fez o intermédio entre a drag e o Major Lazer para a parceria entre eles acontecer: “Quando faço música, sempre penso que é uma forma de as pessoas falarem sobre isso, podem debater e discutir sobre algo”.

“Eu estava trabalhando nessa música com o Major Lazer por muito tempo, até que surgiu a ideia de trazer Pabllo Vittar e pensei, ‘é perfeito’, e tive a ideia de fazer o vídeo no Marrocos – que é um país tão conservador – e ter uma Drag Queen talentosa e merecendo o mesmo respeito que eu”, revelou.

Anitta ainda completou: “Amo a comunidade LGBT + e adoro apoiá-los, mas não passei pelas dificuldades que eles passaram, então nada melhor do que dar força a uma pessoa que é o rosto, a voz e a imagem do que estamos falando, porque assim de uma forma divertida, posso enviar a mensagem sobre respeito”.

Ela ainda contou que seu sonho é colaborar com Mariah Carey: “Ela foi a primeira pessoa que comecei a ouvir quando criança. Minha família é fã dela, então eu ouvi sua música toda a minha vida, desde muito jovem”.

“No momento ela não está lançando música nova, nem tem números um [nas paradas] e me fez pensar nas minhas colaborações e que eu não as faço por números, faço porque me fazem sentir bem, porque gosto da pessoa, não gosto de pensar em número”, finalizou.