anitta
A cantora carioca Anitta (FOTO: Reprodução)

Como divulgado nessa semana, Anitta é a terceira personalidade mais influente politicamente do Brasil, atrás somente do influencer Felipe Neto em segundo lugar e do presidente Jair Bolsonaro em primeiro. A cantora mudou totalmente sua relação com a pauta política e para quem já foi tão apontada por seu silêncio quanto a temas sociais relevantes, dá para dizer que há uma nova Anitta no cenário. “Não podia mais ficar em cima do muro”, ela diz em entrevista à revista Veja Rio, “seria incoerente que a personalidade Anitta não tivesse uma posição”.

Durante entrevista, a funkeira pontua essa mudança de imagem e de fala. Diz que não tem medo de perder parcerias com marcas, porque só se vincula a empresas que a conhecem muito bem. Por outro lado, o discurso político, é importante para fidelizar os fãs que estavam insatisfeitos com ela anteriormente.

“Eu não sabia que era necessário tomar partido, ter uma posição. E as pessoas me cobravam muito, inclusive os fãs. Era uma pressão enorme, e isso me fez entender que era importante. Mas eu só falo sobre o que eu sei, por isso comecei a aprender com a Gabriela Prioli, que é minha amiga”, diz.

VEJA TAMBÉM: Boa Sorte! Vanessa da Mata termina noivado com ministro após adiar casamento

Anitta conta que não se enquadra completamente nem com a esquerda nem com a direita. “Prefiro ficar ali no meio, achar lados positivos nos dois espectros, porque não acredito em uma coisa totalmente boa ou ruim”. Também não se considera no centro, porque ainda não sabe o que é o centro. “A Gabi não me explicou. Ainda não cheguei a essa aula”, admite.

Sua mudança de posicionamento aconteceu com o momento de isolamento social por conta da pandemia do novo coronavírus. Anitta começou a fazer lives de educação política e a usar a influência nas redes sociais para pressionar deputados a favor do meio-ambiente e da classe artística. Quando a pandemia passar, ela continuará se posicionando, mas não pretende levar isso para sua vida artística.

“Não, pelo amor de Deus. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. A política é para pensar em temas sérios, é outra vibe. Ao show vai uma galera que quer se divertir, é entretenimento puro”, comenta.