Antiga agência de Luísa Sonza revela que cantora queria fazer shows na pandemia

Cantora teria descumprido shows em 2020

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na tarde de ontem (27), foi noticiado pelo jornal O Dia, que Luísa Sonza encerrou o contrato que mantinha com a Chantilly Promoções, além disso, a empresa entrou na Justiça que vai cobrar na justiça R$ 470 mil.

Segundo a publicação, Chantilly comprova que recebeu uma notificação da cantora desfazendo o acordo no dia 1 de outubro de 2020, e alega ter sido surpreendida, já que atendeu todas as exigências de Luísa mesmo em meio à pandemia.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Pois bem, agora, a empresa entrou em contato com o colunista Leo Dias, e informou que ao contrário do que foi divulgado antes, a cantora cancelou o contrato de exclusividade de agenciamento de shows com a empresa Chantilly Produções, válido por 3 anos, justamente por eles não terem batido a meta de vendas de shows durante a pandemia. Ou seja, ela desejava e cobrava a empresa por performances ao redor do Brasil. A coluna adquiriu, com exclusividade, mensagens recebidas pela Chantilly Produções, em outubro de 2020, que comprovam a cobrança de Sonza para a realização de shows.

VEJA MAIS: Produtor confirma que Ariana Grande está trabalhando em novo álbum

Ainda de acordo com a publicação dos site Metrópoles, consta que a cantora não levou em conta a situação sanitária no momento de rescindir o contrato de agenciamento artístico, ao contrário do que foi divulgado, e utilizou equivocadamente da cláusula de performance. Sendo assim, a produtora move um processo contra Luísa devido à quebra de um contrato com o tempo vigente de três anos e não por estar obrigando-a a performar durante a pandemia. Além desta, a Chantilly alega que os shows que estavam marcados antes da pandemia já tinham sido todos remarcados e foram cancelados unilateralmente pela cantora em janeiro de 2021, ou seja, após a quebra de contrato com a produtora. O processo, comandado pelo advogado Carlos Sanseverino, contra Luísa Sonza corre na 30ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo (as provas estão anexadas ao processo, que é público).

Vale lembrar que a cláusula de performance não se aplica no caso sub judice, pois como reconhecido pela Organização Mundial de Saúde – OMS em 11 de março de 2020, pelo Ministério da Saúde do Brasil em 3 de fevereiro de 2020, por meio da Portaria nº 188, que declarou Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN), e pelo Congresso Nacional em 20 de março de 2020, por meio do Decreto Legislativo nº 6, que declara, para os fins do art. 65 da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, estado de calamidade pública, a pedido do Presidente da República, uma série de medidas preventivas foram adotadas pela União Estados e Municípios a fim de evitar aglomerações pelo país.

Notícia do dia 27:

A agência ainda afirma que arcou com os custos da estrutura montada para atender os interesses da cantora e ainda esteve procurando alternativas de shows e firmando compromissos, tudo isso gerar qualquer ônus financeiro à Luísa Sonza.

O cachê de Sonza, segundo a matéria, girava em torno de R$ 40 a R$ 60 mil e a Chantilly quer ser indenizada pelos shows não cumpridos da agenda de 2021. Ao todo, seriam oito show, totalizariam o valor de R$ 405 mil. Além disso, a produtora quer cobrar quase R$ 70 mil pendentes de comissões.

Luísa Sonza teria dado a palavra, ainda no ano passado, se comprometendo a realizar os shows, mas não cumpriu. A Chantilly teria todos os contratos firmados com os contratantes como prova de que houve o descumprimento dos shows.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio