Após boicote no Grammy, The Weeknd deverá bater recorde em 2022

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ninguém entendeu nada quando ao divulgar as indicações da edição de 2021 do Grammy Awards, a The Recording Academy, responsável pela premiação, deixou o cantor The Weeknd de fora. Com todas as apostas dadas ao álbum “After Hours” e o single “Blinding Lights” todo mundo ficou surpreso quando ambos foram ignorados.

Ainda não inventaram uma forma de voltar no tempo, então não há como alterar as indicações. Mas a The Recording Academy está ciente que não agradou ninguém deixando o cantor de fora da próxima edição.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

(Foto: Reprodução)

VEJA MAIS: Anitta e amiga gringa rebolam com funk inspirado em The Weeknd e enlouquecem web

A Variety publicou um artigo contando todas as suas apostas para 2021. Apesar das tão sonhadas voltas de Rihanna e Adele, a aposta do Grammy é que The Weeknd seja o vencedor de indicações como forma de redenção após o boicote.

“Em um esforço para reparar seu escandaloso boicote do Grammy em 2021, a Recording Academy indicará o The Weeknd para um recorde de 20 indicações – quebrando o recorde estabelecido por Michael Jackson e Babyface com 12 – incluindo acenos no pop, R&B, rap, rock, country, categorias de gospel e jazz?”, escreveu exageradamente a publicação.

Assista aqui o clipe de Blinding Lights:

Mas The Weeknd não se deixou abalar com a atitude da The Recording Academy e já está trabalhando no sucessor do “After Hours”. Em entrevista para a revista TMRW ele falou sobre o projeto. O artista aproveitou as medidas de isolamento para se dedicar ao projeto.

“Eu tenho estado mais inspirado e criativo durante a pandemia do que normalmente fico quando estou em turnê. A pandemia, o movimento Black Lives Matter, e as tensões das eleições criaram principalmente um senso de gratidão pelo que tenho e de proximidade com as pessoas próximas a mim”, declarou.

The Weeknd também contou na entrevista como a música oriunda da Etiópia influenciou na sua forma de cantar. “Conforme cresci, fui exposto a mais músicas, e minha voz se tornou um camaleão indo por diferentes personagens em cada álbum. Seguindo meu próprio caminho e quebrando as normas da indústria, pareço estar influenciando outra pessoas”, contou.

Apesar de ficar de fora do Grammy Awards o artista sente muito orgulho do álbum “After Hours”. “Foi a obra de arte perfeita para mostrar minha estabilidade na indústria”, disse o artista.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio