Avicii
O produtor e DJ sueco Avicii (FOTO: Reprodução)


No dia 20 de abril de 2018, o badalado produtor e DJ sueco Avicii foi encontrado morto em um hotel em Omã, no Oriente Médio. De família de artistas, aos 28 anos, o sueco sofria de depressão e teria tirado a própria vida usando pedaços de vidro de uma garrafa.

Dois anos e meio após a sua morte, o pai de AviciiKlas Bergling, conversou com a rádio via satélite SiriusXM e falou a respeito das questões de saúde mental que impactaram sua família e tiraram a vida do seu filho.

VEJA MAIS: Filho de Michael Jackson revela seu verdadeiro nome em entrevista inédita

“Muitas vezes a doença mental está conectada à depressão. Você consegue perceber e até sentir que alguém precisa de ajuda. O Tim não dava esses sinais oficialmente. Nós o paramos duas vezes junto com seus empresários, mas isso foi mais pra frente, e é claro que ficamos muito preocupados várias vezes. Várias vezes.

Você pode se perguntar por que nós ‘não fizemos nada’, mas nós fizemos muitas coisas. E isso é uma certeza. Tim era um adulto. Isso é algo importante para destacar, porque ele tomava as suas próprias decisões. Nós não poderíamos trancá-lo. Não é assim que você lida com as coisas.

E ele estava constantemente produzindo, então era uma situação tão estranha. Quero dizer, você vê agora com outra perspectiva, e pode ser fácil dizer, ‘é claro que nós deveríamos tê-lo parado’. Eu não estou dando desculpas aqui, só estou tentando explicar que… é complexo.”

Assista abaixo o que o pai do músico falou:

Suicídio

O suicídio é considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública, complexo, multifacetado e de múltiplas determinações, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero. Todos os anos, cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde).

No Brasil, uma pessoa morre por suicídio a cada hora, enquanto outras três tentaram se matar sem sucesso no mesmo período. O assunto é tão complexo que muitas pessoas evitam falar a respeito, o que nem sempre é a melhor decisão. Um problema dessa magnitude não pode ser negligenciado, pois sabe-se que o suicídio pode ser prevenido. Uma comunicação correta, responsável e ética é uma ferramenta importante para evitar o efeito contágio. Centro de Valorização da Vida Uma das entidades que ajuda pessoas com pensamentos tristes e depressivos é o Centro de Valorização da Vida, o CVV. A organização existe há anos graças ao trabalho voluntário de centenas de pessoas. O atendimento é gratuito e pode ser feito por telefone e internet. O telefone que tem cobertura para todo Brasil é 188.