xuxa
A apresentadora Xuxa (FOTO: Reprodução)

Na última sexta-feira (23), o apresentador do ‘Alerta Nacional’, Sikêra Jr. chamou Xuxa de pedófila, agora, o jornalista foi denunciado ao Ministério Público.

“Sikêra Jr ataca brutalmente e de forma homofóbica Xuxa Meneghel. O tal apresentador abusa de um trecho do livro da apresentadora de forma desproporcional, LGBTIfóbico e ilegal para disseminar ódio em rede nacional de televisão contra a população LGBTI+. A passagem do livro fala do amor entre duas mães lésbicas que se amam”, conta o ativista dos direitos da população LGBTQI e ator da denuncia ao MP, Agripino Magalhães.

VEJA TAMBÉM: As fotos secretas do último aniversário de Freddie Mercury antes da morte

Relembre o que ele falou:

No início de seu desabafo, Sikêra chegou a dizer até mesmo que era fã de Xuxa. “A ex-rainha, que eu lamentavelmente era muito fã, meu sonho era ir na plateia ver a que se diz rainha. Hoje não dá mais audiência, tá sendo empurrada pra todos os horários. É a que vai lançar um livro LGBT para crianças”, afirmou.

“Essa é a mesma que fez um filme com uma criança. Ela nua, com uma criança de 12 anos. Ex-rainha, eu quero dizer pra você que pedofilia é crime e não prescreve não, tá?”, prosseguiu ele, se referindo ao controverso longa Amor Estranho Amor, em que Xuxa atuou em 1982.

Na sequência, Sikêra Jr. afirmou que a apresentadora está usando o nome que ela criou em décadas de trabalho com o público infantil para “levar a criançada para a safadeza, pra putaria e pra suruba.”

“A tua filha falando que ofereceu maconha pra tu. Isso é coisa que se diga de uma formadora de opinião? E aí? Apologia às drogas também é crime, ex-rainha. A tua lacração que te segue, que eu te seguia, eu era seu fã, e hoje você mudou completamente porque seu público não é o mesmo, você se resume a fazer evento pra uma turminha de lacradores”, pontuou.

Por fim, Sikêra Jr. decidiu se dirigir até mesmo aos executivos da Record, emissora em que Xuxa trabalha há cinco anos. “O teu programa na televisão não decolou. Eu não sei como é que os bispos e pastores ainda concordam”, concluiu ele.