Apresentadora do X-Factor que cometeu suicídio tem última mensagem divulgada

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A morte de Caroline Flack foi oficialmente considerada um suicídio. A ex-apresentadora do X-Factor foi encontrada morta em sua casa no sábado (dia 15), poucas semanas antes de ser julgada por agressão. O trágico incidente ocorreu quase dois meses depois dela ter saído do programa “Love Island” após a sua detenção por uma agressão doméstica ao namorado, o atleta Lewis Burton.

Nesta quarta-feira (dia 19), a família de Flack divulgou um post inédito do Instagram, onde Flack se abre de maneira franca sobre a briga com o namorado, chamando-a de “acidente”. No post, que foi enviado ao jornal local britânico The Eastern Daily Press, Flack escreveu que ela “assumiu a responsabilidade pelo que aconteceu naquela noite”, mas disse que ela não era “uma agressora”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Flack expressou que ela estava passando por “algum tipo de colapso emocional por muito tempo” e descreveu o incidente traumático como um “acidente” resultante de uma “discussão” entre ela e o namorado Lewis Burton.

Sobre o motivo pelo qual ela decidiu escrever o post do Instagram, Flack explicou: “A razão de eu estar falando hoje é porque minha família não aguenta mais. Eu perdi o meu emprego. A minha casa. A minha capacidade de falar. E a verdade foi-me tirada das mãos e usada como entretenimento.”

A antiga apresentadora do canal ITV concluiu a mensagem pedindo desculpas à sua família e amigos e falou sobre como ela planejava seguir em frente.

“Não estou pensando em ‘como vou recuperar minha carreira’”, escreveu ela. “Estou a pensar em como vou recuperar a minha e a vida da minha família.”

Veja também:

Após suicídio, Caroline Flack recebe homenagem emocionante do Little Mix

Enquanto a família de Flack dizia que ela tinha sido aconselhada a não publicar a mensagem, ela queria divulgá-la para esclarecer as “muitas inverdades” sobre a situação, segundo o Daily Press.

Não foi divulgado exatamente quando a mensagem foi escrita, embora sua mãe tenha dito que Caroline a havia enviado no final de janeiro.

Leia o post inédito do Flack na íntegra, abaixo

Para muitas pessoas, ser presa por agressão comum é uma forma extrema de ter algum tipo de despertar espiritual, mas para mim se tornou o normal.

Eu tenho pressionado o botão de soneca em muitas tensões na minha vida – por toda a minha vida. Há mais de 10 anos que aceito vergonha e opiniões tóxicas sobre a minha vida e, no entanto, disse a mim mesmo que tudo isso faz parte do meu trabalho. Não me queixo.

O problema de esconder as coisas debaixo do tapete é …. eles ainda estão lá e um dia alguém vai levantar o tapete e tudo o que você vai sentir é vergonha e embaraço.

Em 12 de Dezembro de 2019 fui presa por agressão comum ao meu namorado… Em 24 horas, todo o meu mundo e futuro foi varrido de debaixo dos meus pés e todas as paredes que eu tinha demorado tanto tempo a construir à minha volta, desabaram. De repente, estou num palco diferente e todos estão a ver o que acontece.

Eu sempre assumi a responsabilidade pelo que aconteceu naquela noite. Mesmo naquela noite. Mas a verdade é que… Foi um acidente.

Eu tenho tido algum tipo de colapso emocional por muito tempo.

Mas eu NÃO sou um agressora. Tivemos uma discussão e aconteceu um acidente. Um acidente. O sangue que alguém vendeu a um jornal era o meu sangue e isso foi algo muito triste e muito pessoal.

A razão de eu estar falando hoje é porque minha família não aguenta mais. Eu perdi o meu emprego. A minha casa. A minha capacidade de falar. E a verdade foi-me tirada das mãos e usada como entretenimento.

Não posso passar todos os dias escondida para não dizer ou falar com alguém.

Lamento muito à minha família pelo que trouxe sobre eles e pelo que os meus amigos tiveram que passar.

Não estou a pensar em “como vou recuperar a minha carreira”. Estou a pensar em como vou recuperar a minha e a vida da minha família.

Não posso dizer mais do que isso.”

Mais tarde, ainda nesta quarta-feira (dia 19), o tribunal de Poplar Coroner registrou a morte do Flack como suicídio.

O corpo dela foi encontrado um dia depois de lhe ter sido dito que a Procuradoria estava a prosseguir o processo judicial contra ela por agressão, mesmo com o namorado solicitando que as acusações fossem retiradas.

No domingo, Burton quebrou o seu silêncio sobre a morte de Flack. Em um post de Instagram, o tenista escreveu que ele estava “perdido por palavras” por causa da morte de sua namorada. Caroline Flack tinha 40 anos.

Caroline sempre será lembrada pelos fãs do X-Factor por sua descontração ao comandar o reality show musical. Considerado um verdadeiro celeiro de talentos da música mundial, o X-Factor britânico descobriu nomes como Little Mix, Ella Henderson, Leona Lewis, Olly Murs, Rebecca Ferguson, Cher Lloyd, James Arthur e One Direction e teve a temporada 2020 cancelada pelo canal ITV.

Devido à sua morte, foi criada uma petição na web pedindo que o governo do Reino Unido abra um inquérito sobre a cobertura sensacionalista que a mídia faz em cima de figuras públicas. “As manchetes, o assédio e o julgamento da mídia precisam terminar e devem ser responsabilizados”, diz o documento encaminhado a Oliver Dowden, secretário de cultura do país. O abaixo-assinado até a noite de sábado já contava com cerca de 300 mil assinaturas. 

Suicídio

O suicídio é considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública, complexo, multifacetado e de múltiplas determinações, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero.

Todos os anos, cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde). No Brasil, uma pessoa morre por suicídio a cada hora, enquanto outras três tentaram se matar sem sucesso no mesmo período.

O assunto é tão complexo que muitas pessoas evitam falar a respeito, o que nem sempre é a melhor decisão. Um problema dessa magnitude não pode ser negligenciado, pois sabe-se que o suicídio pode ser prevenido.

Uma comunicação correta, responsável e ética é uma ferramenta importante para evitar o efeito contágio.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio