michael jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução)

Michael Jackson foi perguntado em uma entrevista quando ele era jovem, se ele se sentia à vontade em ser tão reconhecível em público e viver de maneira tão perceptível. Sua resposta foi: “Eu dormiria no palco, se pudesse.” Tudo sobre ele, desde sua morte à beira da turnê de retorno, até sobre sua presença no palco, tudo acabou sendo sobre ver, aplaudir, ridicularizar e, finalmente, sofrer.

Jackson foi um artista brilhante. Desde tenra idade, ele capturou os corações e a atenção do mundo como o jovem cantor carismático e giratório do Jackson 5. Mas quando a novidade e o charme do grupo começaram a desaparecer, ele encontrou uma maneira de se reinventar e apelar para uma nova geração de fãs com sua música.

5 de março de 2009, Michael Jackson em uma coletiva de imprensa na London O2 Arena. 
(Foto: Joel Ryan, arquivo)

O que se seguiu foi uma série notável de músicas, performances e álbuns, principalmente Thriller em 1982, o álbum mais vendido de todos os tempos. Ele trouxe ao mundo o “moonwalk”, a luva branca de lantejoulas e os videoclipes que ofereciam novos níveis de sofisticação técnica, complexidade e apelo.

Uma das músicas durante esse período no topo das paradas foi “Man in the Mirror”. Uma canção de 1988 que, de certa forma, simbolizava um divisor de águas na carreira de Michael. Apesar de seu talento, popularidade e riqueza, ficou claro que Michael Jackson não gostou do que viu em seu reflexo.

O que surgiu a partir desse ponto foi um Michael Jackson perturbador e enigmático, com um novo rosto, uma atitude reclusa e uma propensão a convidar crianças pequenas, principalmente meninos, para visitas noturnas ao rancho em Neverland.

Era o Michael da pele pálida e do guarda-chuva preto, de Bubbles, o chimpanzé e do casamento repentino, do divórcio com Lisa Marie Presley e do comportamento imprudente com seu filho bebê em um hotel em Berlim e, finalmente, o Michael das acusações de abuso sexual.

Em 2005, Jackson foi absolvido das acusações de ter molestado um sobrevivente de câncer de 13 anos em Neverland, mas as revelações sobre sua conduta com crianças e seu estilo de vida haviam afetado sua carreira. Esse novo Michael era assustador.

VEJA TAMBÉM: Anitta dança de biquíni com Gui Araújo e recebe tapinha no bumbum

Com sua morte, o mundo da música se pergunta se era possível Michael Jackson se reinventar e reconquistar os fãs. Outras questões permanecem também, sobre sua vida pessoal, sobre a causa de sua morte, as circunstâncias por trás de seu aparente ataque cardíaco, e se algo poderia ter sido feito ou deveria ter sido feito para salvar sua vida.

A música de Jackson era tão atraente quanto sua vida pessoal repulsa e estranha.

Sua vida foi uma performance de palco, parte thriller, parte tragédia. Mas, por tudo o que foi dito e escrito sobre ele, Jackson fez sua saída final com o mundo imaginando quem ele era e o que mais ele poderia ter conseguido.