Assassino de John Lennon quer liberdade condicional para “falar sobre Deus”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mark David Chapman, 65 anos, está cumprindo uma pena de prisão perpétua desde 1981 após assassinar o lendário membro dos Beatles, John Lennon.

O assassino já tentou por mais de dez vezes pedir liberdade condicional e teve o pedido negado todas as vezes.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Há dois anos atrás, os membros do conselho estadual de liberdade condicional disseram: “O painel determinou que a sua libertação seria incompatível com o bem-estar e a segurança da sociedade”.

VEJA TAMBÉM: Membro dos Beatles quase participou da série Friends em papel inusitado

Segundo o portal Daily Star, Mark afirma que matou John Lennon pela “glória”, por conta da fama do artista. Ele afirma que ele se conectou com Deus na prisão e que precisa estar em liberdade para, assim, poder falar sobre Deus para as pessoas.

Ele ainda se desculpou com Yoko Ono, companheira de Lennon na época: “Sinto muito pela dor que causei a ela, eu penso nisso o tempo todo”.

Chapman também revelou suas motivações: “Ele tinha todo aquele dinheiro, morava naquele lindo apartamento e vivia de música representando um estilo de vida mais cauteloso, um estilo de vida mais generoso. Isso me deixou com raiva e ciúme em comparação ao jeito que eu vivia naquela época. Havia inveja ali”.

FOTO: Reprodução
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio