maluma j balvi
Os astros colombianos Maluma e J Balvin (FOTO: Reprodução)

Foram revelados na terça-feira (dia 24) os nomes dos indicados ao Grammy Latino em suas 50 categorias para inúmeros gêneros musicais. Contudo, alguns dos nomes mais importantes do reggaeton acabaram sendo ignorados pela premiação e decidiram iniciar um boicote à cerimônia.

Um dos principais astros da música latina atualmente, J Balvin, foi um dos principais articuladores do boicote e chegou a postar nas suas redes sociais que “Sem reggaeton, sem Grammy Latino”. Logo, o cantor colombiano recebeu apoio de diversos colegas que são representantes do gênero musical. O nome do cantor até chegou a aparecer em duas indicações na categoria Melhor Canção “Urban” , mas por um feat (participação) em músicas de outros intérpretes. Nenhuma canção de seu último projeto, Oasis, foi indicada e sendo assim, o cantor publicou um manifesto em seu IGTV.

View this post on Instagram

Frente a los Latin Grammy

A post shared by J Balvin (@jbalvin) on

Outro que ficou decepcionado com a premiação foi Maluma que postou um desabafo, sem sugerir se também iria aderir ao boicote a premiação. ‘Uma desilusão imensa não ter sequer uma indicação ao Latin Grammy, tanto esforço, fiz o melhor disco que poderia ter feito em minha vida”, escreveu o cantor que ainda ressaltou a façanha de ter feito Madonna cantar em espanhol.

Outros que lamentaram os critérios de avaliação do Grammy Latino foram Daddy Yankee e Karol G. O primeiro até recebeu uma indicação na categoria de Melhor Fusão/Interpretação Urbana por sua música Con Calma, mas mesmo assim apoiou o movimento de insatisfação. ““Apesar de ser indicado, eu não concordo com a maneira como eles trataram o gênero e muitos dos meus colegas“, escreveu. “Isso é cultura, credibilidade, relevância e respeito.” Já a cantora se limitou a concordar com as palavras de Daddy. “Sinto necessidade de apoiar essa iniciativa, fazendo um chamado para que a Academia seja mais inclusiva no futuro com um gênero que se esforça”, escreveu. 

Ciente das reclamações, Academia divulgou uma declaração onde afirma: “A Latin Recording Academy seguiu um rigoroso processo de votação nos últimos 20 anos. Os membros, por meio de seus votos, selecionam o que acreditam merecer uma indicação. A Academia nunca influenciou suas decisões, sempre honrou e respeitou suas eleições, mesmo que haja pessoas que não concordam com os resultados...no entanto, ouvimos a frustração e o descontentamento”, continua a declaração. “Convidamos os líderes da comunidade urbana a se envolverem com a Academia, com o processo e em discussões que melhorem a Academia”.

A 20ª edição do evento hispânico acontecerá no dia 14 de novembro em Los Angeles, Estados Unidos.