michael jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução)

O  jornalista investigativo Dylan Howard, famoso por veicular notícias sobre abuso sexual do cantor Michael Jackson, já foi acusado de assédio sexual por 12 pessoas, de acordo com o relatório emitido pela The Associated Press. Atualmente, ele acaba de lançar o livro intitulado: Bad: Na Unprecedented Investigation into the Michael Jackson Cover-Up“, que conta detalhes supostamente pouco conhecidos da vida de Michael Jackson.

A investigação de Howard que foi lançado nos Estados Unidos em 7 de julho, é baseado em uma biblioteca meticulosa de material de origem, incluindo entrevistas, informações de familiares, páginas do diário de Jackson, contas em primeira pessoa, milhares de páginas de documentos judiciais e notas confidenciais do jornal de Jackson, arquivos do investigador particular e anotações de caso.

Dylan Howard - Alchetron, The Free Social Encyclopedia
Dylan Howard (FOTO: Reprodução)

VEJA TAMBÉM: Ouça a ligação pra emergência da mulher que encontrou o filho de Naya Rivera

Em contrapartida, Dylan está sendo investigado após uma série de acusações sobre ele ter assediado sexualmente as mulheres no trabalho, fazendo comentários explícitos sobre colegas e forçando os funcionários a assistir pornô no escritório da American Media. A investigação sobre Howard foi lançada depois que duas empregadas se queixaram de seu comportamento enquanto administrava o escritório de Los Angeles.

LEIA TAMBÉM: Segundo a polícia, corpo de Naya Rivera pode ‘nunca ser encontrado’

A AP soube das alegações contra o editor de tabloides depois de falar com 12 ex-funcionários da AMI, a maioria dos quais falou sob a condição de anonimato, bem como o consultor que a empresa contratou para investigar Howard. Pelo menos um funcionário teria reclamado que Howard disse que queria criar uma conta no Facebook sobre sua vagina, uma alegação que Stracher disse à AP que era falsa.

Ex-funcionários disseram à AP que Howard forçou funcionárias a assistir ou ouvir gravações de celebridades fazendo sexo sem motivo profissional. Eles também alegaram que Howard encorajou jornalistas a fazer sexo com fontes para obter mais informações para suas histórias.

Maxine “Max” Page, uma ex-editora sênior da Radaronline, uma publicação da AMI, disse que o comportamento de Howard era “completamente inaceitável” e que ela o relatou aos recursos humanos em nome de duas repórteres do sexo feminino. O relatório de Page levou a empresa a contratar um consultor externo para investigar o comportamento de Howard.

Capa do livro sobre Michael Jackson
Capa do livro sobre Michael Jackson – (FOTO: Reprodução)

Howard também foi acusado de ajudar a desacreditar mulheres que foram vítimas sexuais do magnata do cinema Harvey Weinstein, incluindo a atriz Rose Mcgowan, conforme o The New Yorker, relatou. Howard teria enviado seus próprios repórteres para encontrar informações sobre Mcgowan. Em um caso, de acordo com o The New Yorker, o repórter gravou uma conversa em off com um dos ex-companheiros de Mcgowan e contou a Weinstein sobre a conversa.