Billie Eilish
A cantora norte-americana Billie Eilish (FOTO: Reprodução)

Billie Eilish contou em uma entrevista para a edição da revista GQ britânica, com a qual estrela a capa com o título “Confissões de uma superestrela adolescente”, que por algum tempo atrás, pensou em se suicidar.

Na entrevista, a cantora de 18 anos revela ter tido pensamentos suicidas, e o motivo foi a pressão das redes sociais ao ler comentários tóxicos. “É estranho. Quanto maiores as coisas que você faz, mais as pessoas te odeiam. As pessoas dizem qualquer coisa para fazer as pessoas rirem. É uma loucura que eu tenha lido comentários… Parei há muito tempo, mas o problema é que eu sempre quis manter contato com meus fãs e as pessoas arruinaram isso para mim e para eles“, desabafou.

Essa não foi a primeira vez que a cantora trata de seu sofrimento por conta das redes sociais. Em fevereiro, ela disse ao programa inglês “Breakfast” que não lê mais comentários sobre si no Twitter ou no Instagram, para não a afetar negativamente. Infelizmente, isso a deixa afastada também dos comentários positivos e da troca virtual com os fãs.

VEJA TAMBÉM: Freddie Mercury debochou de Michael Jackson por detalhe íntimo sobre “cama” do cantor

Ela conta que o primeiro pensamento suicida veio em um quarto de hotel em Berlim, na Alemanha. “Havia uma janela. Eu lembro de chorar, porque estava pensando que a forma que eu morreria seria por algo que eu mesma iria fazer“, contou. Quem a salvou foi sua mãe. Em entrevista ao programa “CBS This Morning”, em janeiro, Billie Eilish tratou de sua saúde mental e falou pela primeira vez em suicídio. Ela disse que não estava pronta para ser famosa e que se sentia muito infeliz, apesar do sucesso estrondoso. “Eu não quero soar sombria, mas eu genuinamente achei que não chegaria aos 17 anos“, disse.

Suicídio:

O suicídio é considerado pelo Ministério da Saúde como um problema de saúde pública, complexo, multifacetado e de múltiplas determinações, que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero.

Todos os anos, cerca de 800 mil pessoas morrem por suicídio no mundo, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde). No Brasil, uma pessoa morre por suicídio a cada hora, enquanto outras três tentaram se matar sem sucesso no mesmo período.

O assunto é tão complexo que muitas pessoas evitam falar a respeito, o que nem sempre é a melhor decisão. Um problema dessa magnitude não pode ser negligenciado, pois sabe-se que o suicídio pode ser prevenido. Uma comunicação correta, responsável e ética é uma ferramenta importante para evitar o efeito contágio.