rami malek
O ator norte-americano Rami Malek (FOTO: Divulgação)

O filme “Bohemian Rhapsody”, sobre a vida e obra de Freddie Mercury e a ascensão da banda Queen chegará aos cinemas chineses, mas numa versão censurada. O longa não contará com algumas das sequências mais cruciais da história onde o protagonista exibe sua atração por homens.

Para surpresa de todos, Bohemian Rhapsody foi anunciado nos cinemas chineses na quarta (dia 27). A notícia foi divulgada com um ar de estranhamento, já que o discurso de Rami Malek no Oscar, protagonista do filme, foi censurado na TV chinesa.

Segundo informações do The Hollywood Reporter, o filme terá um corte de mais de um minuto. Serão editadas cenas em que personagens do mesmo sexo se beijam e em que o uso de drogas é retratado.

VEJA TAMBÉM: Documentário sobre a banda Queen focará na ascensão de Adam Lambert

Vale ressaltar que essa não é a primeira vez que um filme com temática gay sofre censura na China. O aclamado O Segredo de Brokeback Mountain foi banido no país asiático em 2005.

Bohemian Rhapsody retrata a rápida ascensão de Freddie Mercury (Rami Malek) e do Queen ao estrelato. A trama ainda pretende explorar a relação do líder com os seus colegas de banda, Brian May (Gwilym Lee), John Deacon (Joseph Mazzello) e Roger Taylor (Ben Hardy). O elenco ainda conta com participações de Lucy Boynton, Mike Myers e Tom Hollander.

A direção ficou a cargo de Bryan Singer, que foi demitido ao longo da produção, sendo substituído por Dexter Fletcher (Rocketman). Bohemian Rhapsody estreia nos cinemas chineses em 22 de março.