BTS fatura fortuna com venda de CDs e entra em seleta lista da Billboard

Publicado em 19/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O regresso de Taylor Swift ao nº 1 da lista Money Makers de 2020 da Billboard é um dos poucos resultados não surpreendentes de um ranking que guarda muitas surpresas. Um ano com poucas turnês resultou em muitos dos roqueiros e astros da música country tendo que ceder os seus lugares a artistas com forte marcas no streaming em 2020 e boas performances de vendas físicas – muitos deles atuando no hip-hop. As informações são de  Ed Christman da Billboard. Os astros revelação da música mundial BTS e Billie Eilish também marcaram presença no ranking.

Sobre os cantores de “Dynamite”, a Billboard afirmou que o faturamento anual deles foi de $8.9M e detalhou o seguinte:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A classificação do Money Makers do ano passado creditou ao fenômeno das boy band de K-pop, a vantagem de manter os formatos físicos vivos com vendas totais de 827.000 álbuns. Neste ano, o grupo quase dobrou esse número. Três lançamentos de 2020 – Map of the Soul: 7, Map of the Soul: 7 – The Journey e Be – ajudaram a BTS a vender quase 1,5 milhão de CDs. Eles também moveram mais de 2,6 milhões de downloads digitais. Apesar desses números monstruosos, a banda terminou em quinto lugar na categoria de royalties de vendas com US $ 4,3 milhões porque os membros não possuem suas (fitas) masters. Não é de surpreender que tenham uma classificação muito mais alta na lista Global Money Makers”.

Classificação do ano passado: No. 22
Streaming: $ 3,7M
Vendas: $ 4,3M
Publicação: $ 967K
Touring: $ 0

QUEDA NO FATURAMENTO GERAL NA PANDEMIA

Também não é surpresa que a escassez de receitas ao vivo tenha levado a um declínio precipitado nos salários dos melhores músicos, que coletivamente levaram para casa 387 milhões de dólares em 2020, contra 969 milhões de dólares em 2019. Mesmo Swift, aquela artista rara com fortes vendas, números de streaming e turnês, viu o seu salário em casa cair de $99,6 milhões em 2018 – a última vez que esteve na lista – para $23,8 milhões.

VEJA TAMBÉM: BTS: Permission To Dance estreia em 1º lugar na Billboard Hot 100

Analisando os fluxos de receitas, as receitas de turnê, com base nos dados do Billboard Boxscore, caíram dez vezes, de 779 milhões de dólares em 2019 para 79 milhões de dólares e representaram apenas 20% do salário coletivo dos artistas em 2020. Em anos anteriores, representou 75% a 80% dos 40 maiores rendimentos dos criadores de dinheiro.

Enquanto a pandemia teve um efeito desastroso nas receitas dos shows, levantou outras correntes de royalties à medida que os fãs de música passaram a ouvir mais música gravada da relativa segurança das suas casas, através do rádio ou plataformas de streaming.

VEJA TAMBÉM: Billie Eilish comenta tutela de Britney Spears: “realmente horrível”

Os royalties das músicas gravadas – de vendas, streaming e edição – cresceram colectivamente 56% de 197 milhões de dólares em 2019 para 308 milhões de dólares. Individualmente, os direitos de transmissão de artistas aumentaram 82% ano após ano, de 106 milhões de dólares para 193 milhões de dólares, e representaram pouco menos de 50% do rendimento total dos 40 maiores criadores de dinheiro. Os royalties de vendas, digitais e físicos, também aumentaram 39%, de $42 milhões para $59 milhões; uma tendência que continua até agora este ano.

A lista desdobra-se em 22 artistas contemporâneos e 18 artistas veteranos (Nesta lista só foram incluídos artistas ainda vivos.) Por gênero, os artistas de rock foram os que mais lugares apareceram na lista (13), um abaixo do ano passado; os atos pop representaram nove entradas, de 14; Country, três lugares, de oito no ano passado; e Latin, dois lugares, um acima de 2019.

O género com maiores ganhos é o R&B/hip-hop, que é representado por 12 artistas este ano, contra três em 2019. Quando a turnê está em pleno acontecimento, os roqueiros, artistas country e bandas de jam dominam os Money Makers por causa dos seus faturamentos brutos de concerto. Em 2020, o hip-hop tornou-se forte porque os seus artistas têm frequentemente um forte jogo de streaming. Na lista deste ano, seis artistas de hip-hop que não fizeram o corte para a lista de 2019 classificaram-se entre os 20 primeiros. Três deles – Drake, YoungBoy Never Broke Again e Lil Baby – ficaram entre os 10 primeiros.

VEJA TAMBEM: BTS: Jimin jogou sua jaqueta Dior como se ela não valesse nada

Confira os destaques do ranking abaixo:

1. Taylor Swift: $23.8 milhões

2. Post Malone: $23.2M

3. Céline Dion: $17.5M

4. Eagles: $16.3M

5. Billie Eilish: $14.7M

6. Drake: $14.2M

7. Queen: $13.2M

8. The Beatles: $12.9M

9. YoungBoy Never Broke Again: $11.9M

10. Lil Baby: $11.7M

11. The Weeknd: $10.4M

12. Aventura: $10.2M

13. AC/DC: $10.1M

14. Eminem: $9.7M

15. Lil Uzi Vert: $9.5M

16. Luke Combs: $9.2M

17. DaBaby: $9.1M

18. Metallica: $9M

19. BTS: $8.9M

20. Pink Floyd: $8.8M

21. Bad Bunny: $8.4M

22. Future: $8.2M

23. Ariana Grande: $7.5M

24. Roddy Ricch: $7.4M

25. Rod Wave: $7.37M

30. Kanye West: $6.3M

31. Justin Bieber: $6.22M

34. The Rolling Stones: $5.96M

35. Travis Scott: $5.82M

36. Ed Sheeran: 5.66M

37. Halsey: 5.55M

38. Harry Styles: 5.51M

40. Aerosmith: $5.35M

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio