bruno e marrone
A dupla sertaneja Bruno & Marrone (FOTO: Reprodução)

O sertanejo Marrone, dupla de Bruno está sendo processado por um ex-sócio que alega ter sofrido calote do cantor. A notícia foi publicada em primeira mão por Leo Dias.

Segundo o processo que corre na Justiça, o cantor deve 1,5 milhão, que foi combinado após desfazer uma sociedade com Eurismar Aparecido Ferreira. Os dois era sócios da churrascaria Favo de Mel, em Goiânia (GO), e após o fim da parceria, ficou acordado que Marrone compraria a parte de Eurismar, em 2017, e pagaria o valor em duas parcelas de R$ 750 mil.

VEJA TAMBÉM: Após ser chamada de cobra por Ludmilla, fãs de Anitta contra-atacam e pedem “ajuda” de Cardi B

A Coluna Leo Dias teve acesso aos documentos que comprovariam que bens do cantor foram penhorados, incluindo um jatinho, modelo 550 BRAVO, que teve a titularidade do avião transferida para uma empresa de forma ilegal, como consta nos autos do processo.

Ante o exposto, requer seja reconhecida a fraude à execução, bem como determinada a anulação da transferência da aeronave modelo 550 BRAVO, Ano de fabricação 2003, fabricante: CESSNA AIRCRAFT Tipo ICAO: C550, número de série: 550-1045, conforme documento do site da ANAC em anexos que confirmam a propriedade do executado e a transferência Fraudulenta”, diz o pedido dos advogados de Eurismar.

Por sua vez, os advogados de Marrone, diz que a aeronave não havia sido bloqueada pelo Poder Judiciário e que a venda e/ou transferência poderia ter sido feita. Além disso, os advogados pedem para que Marrone tenha direito a assistência judiciária gratuita, pois, segundo eles, o cantor não teria como pagar as despesas processuais. “Em razão da pandemia, a atividade laboral do embargante (Marrone) foi diretamente comprometida, o que consequentemente refletiu em seus rendimentos mensais”.