cirio
O cantor porto alegrense Cirio (FOTO: Reprodução)

O novo single “A Culpa é da ONG, Talkey”, lançado pelo cantor e compositor CIRIO nessa sexta-feira, dia 09/10, é uma sátira ao atual Governo, a começar pelo título, que remete à fala de Bolsonaro, em 2019, que culpava, sem provas, as ONGs pelas queimadas na Amazônia.

Em ritmo de reggae, a letra mistura humor e ironia com crítica social, abordando temas importantes como o o crescimento das queimadas no Pantanal e na Amazônia, o agravamento das fake news em época de pandemia, a descredibilização de cientistas, o crescimento da onda de intolerância com as minorias, a censura imposta a jornalistas, a demissão de profissionais do INPE (órgão responsável por monitorar o desmatamento na Amazônia), o vazamento de óleo no Nordeste, a exploração de terras indígenas, os cortes na cultura, a polarização política e até uma referência direta à frase “Faça cocô, dia sim, dia não.”, dita por Bolsonaro ao ironizar a pergunta de um jornalista sobre a redução da poluição ambiental no Brasil.

Foto: Reprodução

“Bolsonaro coloca a culpa das desgraças do Brasil e das queimadas nas ONG’s, nos artistas, nos jornalistas e nos cientistas, enquanto promove um desmonte na ciência, enfraquece a cultura nacional e dissemina teorias da conspiração que nos envergonham perante o mundo e fazem com que o obscurantismo, a desinformação e a intolerância cresçam ainda mais no país, dividindo a população. Nós, artistas, não vamos tolerar censura e retrocesso, talkey?”, alfineta CIRIO. 

VEJA MAIS: Após difícil término com Luísa Sonza, Whindersson Nunes revela solidão

A capa é uma ilustração de Darlan Vilarino e a produção musical ficou por conta do arranjador e multi-instrumentista Walace Fonseca.

Em seu canal do YouTube (https://www.youtube.com/ciriotv), o cantor já exercita a sua crítica ao atual governo em sua série Cantadas Crônicas desde o início do ano, com sons autorais que refletem sobre os últimos acontecimentos do Brasil.

Confira a letra da música:

A CULPA É DA ONG, TALKEY?

Meio ambiente não é meio de metade

É por inteiro feito pra toda cidade

Cidade cinza às 3 da tarde, óleo no mar

Em alguns anos, filhos não vão perdoar

Homem branco quer ser dono dessa terra

Desde a colônia, é o índio que se ferra

É o produtor da Fake News Biologia

Criando um gado, cagado de ideologia

Faça cocô um dia sim, um dia não (Mito)

Aquecimento global, vacinação (existe não)

Impede o INPE de impedir desmatamento

Quer ensinar a ler satélite pra NASA

Mais um cientista na lista

Na lista de comunistas

A culpa é mesmo da ONG, tá ok?

Talkey, talkey

Milhões de cabeças cortadas

A golpes de machadadas

População dividida pra quê?

Pra quê? Pra quê?

Somos árvores cortadas ao meio

Móveis decorativos na sala

Na sala presidencial, suíte presidencial

Somos bichos empalhados de gente

Espantalhos na parede

Parede antissocial, parei de ser social

Mais um cientista na lista

Na lista de comunistas

A culpa é mesmo da ONG, tá ok?

Talkey, Talkey

Milhões de cabeças queimadas

Livros incinerados

A culpa é do jornalista e do gay

Talkey, Talkey

Talkey, Talkey

Talkey, Talkey

Ouça no Spotify: