Os manifestantes pediram a pena de morte contra o músico (FOTO: Reprodução)

O músico nigeriano Yahaya Sharif-Aminu, de 22 anos, foi condenado à pena de morte por enforcamento após ter lançado uma música que ele divulgou via WhatsApp, no último mês de março. 

Segundo informações da BBC, na Nigéria, a canção foi considerada “blasfêmia” por colocar um imã acima do profeta Maomé, segundo considerou o tribunal da Sharia na área de Hockey Hausawa Filin. O cantor, que atualmente está detido, se escondeu depois de compor a música e divulgá-la.

Ainda, segundo a publicação, a casa de Yahaya foi incendiada por manifestantes, que se dirigiram até à sede da polícia local, chamada de Hisbah. Por outro lado, alguns seguidores da irmandade muçulmana Tijaniya consideraram a música completamente aceitável.

LEIA TAMBÉM: Enquanto Anitta festeja pela Europa, sobrinha vive em situação precária no Rio

O líder dos manifestantes que pediram a prisão do músico em março, Idris Ibrahim, disse à BBC que o julgamento servirá como um alerta para outros “que consideram seguir o caminho de Yahaya”. “Quando soube do julgamento, fiquei muito feliz porque mostrou que nosso protesto não foi em vão.”

A sentença de morte ainda não foi executada, pois a lei da Nigéria requer a assinatura do governador do estado onde se dá a queixa, que, no caso, é Kano. Em todo o território nigeriano, a lei da Sharia é implementada juntamente com a lei secular na maioria dos estados.