Cantora das Spice Girls quase foi assassinada por amizade com George Michael

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Geri Horner, integrante das Spice Girls, foi avisada que seria alvejada em palco de famosa premiação britânica, o BRIT Awards, por causa de sua amizade com o falecido George Michael e ao seu apoio aos gays.

A estrela, 48 anos, foi aconselhada pela polícia a retirar-se da sua primeira apresentação solo na cerimónia de 2000, após terem interceptado planos de David Copeland de assassiná-la. Mas, a artista recusou-se a ceder à ameaça.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mais tarde nesse ano, Copeland, que é esquizofrênico, foi preso para o resto da vida depois de ter desencadeado uma série de dispositivos explosivos em Londres.

Relembrando o acontecido, Geri disse: “Foi antes da minha primeira atuação como artista solo que ele me ameçou de morte. Ameaçou me matar, e odiava o fato de sair com os gays, e era amiga de George Michael”.

Foto: Reprodução

VEJA TAMBÉM: Áudios de Anitta sobre Iggy Azalea, Preta Gil, Ludmilla e Simaria vazam na web

Geri, que foi amiga íntima de George até à sua morte por cardiomiopatia dilatada em 2016, prosseguiu: “Ele me odiava por apoiar, por amar os gays e por ser amigo de George.”

“A Scotland Yard estava envolvida, e a polícia teve de vir até minha casa, para me avisar oficialmente. Disseram que tinham de me dar a liberdade de escolher se me apresentava ou não, mas que me aconselharam a não comparecer à cerimônia.”

A estrela das Spice Girls desafiou o conselho porque sentiu que era importante ficar ao lado de seus amigos, não importava o que.

Em uma entrevista ao jornal The Sun, ela acrescentou: “Mas eu disse: ‘Lamento, não me vou deixar intimidar por isto’. Somos julgados pelo que fazemos, não pelo que dizemos – e eu estarei sempre com os meus amigos.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio