cardi b maroon 5
(FOTO: Reprodução)

Recentemente a revista US Weekly divulgou que Rihanna teria recusado se apresentar no prestigiado intervalo do Super Bowl. A recusa da cantora teria relação com o jogador Colin Kaepernick, que recentemente foi banido da NFL (liga de futebol americana) após um protesto contra a violência policial e o racismo em seu país. 

Agora, faltando poucas semanas para o evento esportivo e com o Maroon 5 confirmado como atração principal, a banda vem enfrentando problemas pra conseguir participações especiais em sua apresentação no evento.

Segundo a US Magazine, Adam Levine e seus colegas de banda esperavam que Cardi B se juntasse a eles para uma participação do hit mundial “Girls Like You”. Porem, uma fonte próxima à organização do evento teria afirmado que a rapper se recusou veementemente a participar do evento em apoio a Colin Kaepernick.

VEJA TAMBÉM: Silvio Santos comenta pela primeira vez polêmica com Claudia Leitte

Vale lembrar que em fevereiro de 2018, a rapper já havia recusado a proposta de subir ao palco como atração principal do evento, fazendo com que os produtores tivessem que buscar outros nomes. Em 2017, durante o VMA, a rapper também protestou a favor do atleta, relembre abaixo.

“Colin Kaepernick, contanto que você se ajoelhe conosco, nós estaremos de pé para você, baby. É isso mesmo, eu disse” afirmou a rapper.

Protesto de atleta pode impedir que Maroon 5 se apresente no intervalo do Super Bowl

Um jogador de futebol americano pode indiretamente frustar os planos do Maroon 5 em se apresentar no intervalo do Super Bowl de 2019. É que a banda norte-americana está sendo boicotada por um abaixo-assinado do site Change.org motivado por razões políticas. Mais de 47 mil pessoas assinaram uma petição virtual para que o grupo desista de se apresentar no intervalo do evento esportivo.

O abaixo-assinado foi criado em apoio ao jogador Kaerpenick, que foi banido da NFL (liga de futebol norte-americano) por ter protestado ao se ajoelhar durante o hino nacional dos Estados Unidos durante um jogo. A atitude do atleta ocorreu em protesto contra a brutalidade policial estadunidense com os afro-americanos. Mesmo assim a NFL decidiu bani-lo e desde então o atleta foi impedido de participar de competições de futebol americano.

Manifestando apoio ao atleta, Rihanna negou o convite que teria recebido para cantar no Super Bowl 2019 enquanto a comediante Amy Schumer contou que também se negou a gravar comerciais para marcas patrocinadoras do evento. A humorista, vale lembrar, foi quem deu início à campanha para que o Maroon 5 recusasse a proposta de se apresentar no Super Bowl.

VEJA TAMBÉM: Silvio Santos comenta pela primeira vez polêmica com Claudia Leitte

Numa entrevista a Ellen DeGeneres, o vocalista do Maroon 5, o músico Adam Levine indicou que a banda não será influenciada pela petição virtual e que a banda provavelmente fará o show do intervalo do evento esportivo. “Eu não posso nem confirmar nem negar a veracidade desse rumor. É definitivamente um rumor. E o rumor parece ser um rumor sobre o qual todos estão discutindo”, comentou, “é o Super Bowl. É um grande evento e haverá uma banda se apresentando – ou um artista ou algum tipo de performance no intervalo. E vai ser ótimo, independentemente de quem seja. Quem tiver sorte o suficiente para fazer o show provavelmente vai arrasar. Isso é tudo especulativo, porque não sei de quem estou falando. Se fosse eu, eu estaria animado, nervoso…. Se eu estivesse fazendo isso, o que não posso confirmar ou negar, eu ficaria empolgado”.

A recusa de Rihanna teria ocorrido “porque ela apoia Colin Kaepernick”. Este é o nome do atleta que recentemente fez um polêmico protesto contra a brutalidade e desigualdade racial da polícia estadunidense. Durante uma partida, o esportista se recusou a levantar durante o hino nacional dos Estados Unidos, permanecendo de joelhos. Assista abaixo:

“A NFL e a CBS realmente queriam que Rihanna fosse a artista do ano que vem em Atlanta”, revelou recentemente uma fonte da revista US Weekly. “Eles ofereceram a ela, mas ela disse não por causa da controvérsia do hino nacional. Ela não concorda com a postura da NFL”, afirmou. Vale destacar que jogador permanece afastado das partidas desde a polêmica.