Caso de assédio sexual vivido por Taylor Swift em 2013 volta à tona; entenda!

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O processo de assédio sexual de Taylor Swift – no qual ela exigiu apenas US $ 1 como punição e venceu – tornou-se um assunto na mais alta corte dos EUA, e pode realmente ajudar um cara a manter seu caso vivo. As informações são do TMZ.

Swift teve seu nome citado terça-feira (12), durante os argumentos orais em um caso de liberdade da Suprema Corte que remonta um caso de 2016, quando o estudante universitário Chike Uzuegbunam processou Georgia Gwinnett College por supostamente dizer-lhe para não discursar sobre Jesus enquanto estivesse no campus.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A escola mudou sua política no ano seguinte, e pediu que o caso fosse encerrado – o que foi em uma instância inferior – ou seja, até que Uzuegbunam apelou para o SCOTUS, onde está atualmente sendo debatido.

O cara está pedindo uma indenização nominal, e os advogados da faculdade dizem que é uma perda de tempo e recursos manter isso por um valor tão baixo apenas para deixar claro.

(FOTO: Reprodução)

VEJA TAMBÉM: Ex de Biel culpa mãe do cantor por seu comportamento: “Sinto pelo que sua mãe fez com você com apenas 13 anos”

É aí que entra a loira. A juíza Elena Kagan mencionou o processo de Taylor Swift em 2015 contra o apresentador de rádio David Mueller, a quem ela alegou que a assediou em um encontro nos bastidores em 2013.

Kagan acha que o mesmo pensamento pode se aplicar aqui. Ela disse: “Há alguns anos, [Swift] abriu um processo contra um locutor de rádio por agredi-la sexualmente e disse: ‘Não estou realmente interessada no seu dinheiro, só quero $ 1. E esse dólar está indo representar algo para mim e para o mundo das mulheres que vivenciaram o que eu vivi.”

Kagan acrescentou: “Foi isso que aconteceu: o júri deu a ela $ 1. E foi um dano físico inquestionável. Mas, ela apenas pediu esse $ 1 para dizer que havia sido prejudicada. Por que não?

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio