michael jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução_

Com tantas cirurgias plásticas alguns podem concluir que Michael Jackson tinha perdido a cabeça antes da sua morte. Bem, parece que a perda pode ter sido bastante literal. É o que aponta a revista científica Discovery numa antiga reportagem de 2009. O veículo aponta que provavelmente Michael Jackson foi enterrado sem o seu cérebro.

Aparentemente, os cientistas precisaram remover o cérebro da estrela pop para terminar e concluir a sua autópsia. E como se leva cerca de duas semanas para um cérebro “endurecer” antes de poder ser examinado, se ele for colocado para análises antes disso, o seu corpo terá de ser enterrado sem ele. Deixar um cérebro “endurecer” é um protocolo normal de autópsia quando se suspeita que o cérebro desempenha um papel importante na morte, como aconteceria com uma overdose de drogas anestésicas (segundo o Mind Hacks, um blogue de neurociência e psicologia).

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é i128602.jpg
(FOTO: Reprodução)

O processo de endurecimento envolve remover o cérebro do crânio e deixá-lo de molho numa mistura diluída de formaldeído e água chamada formalina. Este processo de imersão geralmente leva quatro semanas e o cérebro endurece genuinamente. Um cérebro “fresco” é de cor rosada e tem a consistência de gelatina ou tofu macio, o que significa que fica difícil de examinar e as várias estruturas internas são frequentemente difíceis de distinguir.

Dissecting brains is pretty intense' | Science | The Guardian
(FOTO: Reprodução)

VEJA TAMBÉM: Katy Perry diz que filha mostrou dedo do meio em ultrassom: “Essa é a minha garota”

Depois de mergulhar o cérebro, tem a consistência e a cor dos cogumelos enlatados, o que facilita o seu corte, exame e fotografia. No entanto, como o cérebro é muito macio para começar, não pode ser simplesmente deixado cair num tanque de solução fixadora, pois irá deformar-se sob o seu próprio peso. Para resolver o problema é normalmente suspenso de cabeça para baixo num grande balde de formalina por um pedaço de cordel que está amarrado à artéria basilar [do cérebro]. Após ter “endurecido” ou “fixado”, é cortado para procurar danos claros no tecido ou nas artérias. Também podem ser conservadas pequenas partes para exame microscópico.

Los Angeles Coroner's Office still holding on to Michael Jackson's ...
(FOTO: Reprodução)

Numa autópsia como esta, os cientistas procurarão lesões cerebrais de longo e curto prazo. O órgão foi retirado do corpo de Michael Jackson após a sua morte em 25 de Junho, enquanto os patologistas faziam testes para descobrir o que o matou. Posteriormente, o órgão foi devolvido à família do músico antes mesmo de seu funeral no dia 7 de julho de 2009.
Em agosto de 2009, o Departamento de Justiça de Los Angeles havia confirmado que haviam reunido seu cérebro com o resto do cadáver.