cleo
A cantora carioca Cleo (FOTO: Reprodução)

Não é segredo para ninguém que Cleo é muito aberta e feliz em relação a sua sexualidade. Contudo, segundo ela, isso fez com que ela fosse ‘humilhada’, além de usarem esse fato, para ‘diminuir’ a artista como profissional.

Em um vídeo gravado para seu canal no Youtube, a filha de Fábio Jr. falou: “Sempre falei muito abertamente sobre a minha sexualidade. Todo mundo sabe disso, todo mundo mesmo. Porque, para mim, isso não é um tabu. E principalmente porque em alguns anos de carreira, com certeza, esse foi o assunto mais abordado em entrevistas, em fofocas…  Então essa relação “Cleo e sexo” foi meio que se instaurando na mente das pessoas“.

LEIA TAMBÉM: Compositor critica arrogância de Gusttavo Lima após ficar milionário com hit do cantor

O mesmo pensamento que nos ensina a reprimir o nosso impulso e o nosso desejo sexual também objetifica e coloca a gente num lugar de satisfazer o desejo sexual do outro. Você precisa ocupar o lugar da desejada. Não ocupar o lugar de quem está expressando o desejo ou tendo domínio do seu desejo. É tipo assim. Ser uma mulher falando sobre sexo é muito bom se for para alimentar as fantasias sexuais dos caras. Mas nunca vou ser vista com credibilidade, com respeito e, principalmente nunca vou ser ouvida. Entende como é louco? E isso tudo é muito antigo, muito enraizado na nossa cultura. Quando a gente vê, já está seguindo esse padrão de pensamento“, continuou.

Sofri muitas sanções por isso. Muitas delas veladas. Um exemplo é parecer que você só sabe falar disso na vida, sabe? E, por mais que eu tratasse com muita naturalidade, para as pessoas esse meu comportamento era sempre negativo. Até mesmo as pessoas que estavam à minha volta, que se diziam minhas amigas, usavam essa minha imagem para me diminuir, para me fazer mal, como se eu estivesse fazendo algo errado. Essa pauta já foi usada para me humilhar publicamente, já fui alvo de piadas, de boato, de fofoca“, afirma a cantora.

Para finalizar, Cleo mostrou todo seu conhecimento e empoderamento feminino para afirmar que mesmo sendo taxada com diversos adjetivos e ‘humilhada’ de certa maneira, não se arrepende de nada: “Eu não me arrependo em momento algum. Porque esse tema foi muito mais abordado pelos outros para que eu falasse do que eu mesma sair falando por aí. E muita gente me criticou por isso, me demonizou, mas eu não me arrependo. Talvez, se eu tivesse a maturidade de hoje, eu teria mais cautela em relação às pessoas ao meu redor mesmo. As que estavam mais próximas. Só para não ser usada. Talvez eu conseguiria pensar: “Será que estou me abrindo e confiando em alguém que está alinhado com os meus pensamentos?”. Porque nascer mulher é já precisar nascer em alerta, né?