whitney houston
A cantora norte-americana Whitney Houston (FOTO: Reprodução)

“Depois do segundo álbum (Whitney), comecei a pensar: ‘Talvez eu faça um filme um dia’”, disse Whitney Houston à MTV em 1992, quando perguntada como ela havia detectado o problema da atuação. Levou quase cinco anos depois dessa noção inicial para a superstar de R&B e pop aparecer nas telonas em O Guarda-Costas, ao lado de Kevin Costner, homem de Hollywood. Naquela época, havia rumores de que ela recusou trabalhar com Robert De Niro, Quincy Jones e até Spike Lee. Houston poderia se dar ao luxo de ser paciente, no entanto. Não é como se a jovem diva precisasse de Hollywood. Seus três primeiros álbuns venderam mais de 50 milhões de cópias em todo o mundo, ela quebrou barreiras de gênero entre R&B e música pop, e todos concordaram que ela era o maior talento musical que surgiu desde Aretha Franklin. Porém, a atriz novata não treinada seria exatamente o que Hollywood precisava.

Enquanto os críticos massacraram O Guarda-Costas, o público que se dirigiu ao cinema se apaixonou pelo filme. Costner, uma das maiores estrelas do mundo na época, chamou o filme de “encontro perfeito”, o tipo de opção que ele gostava de ver no jornal de sexta-feira, quando estava procurando um filme. O filme arrecadou US$ 411 milhões em todo o mundo (US$ 751 milhões em 2020), o que foi suficiente para garantir seu lugar como o segundo filme de maior bilheteria de 1992 (atrás apenas de Aladdin). Na época, o filme também pôde ser considerado um dos 10 maiores sucessos de bilheteria de todos os tempos. Claramente, algo sobre o filme chamou a atenção do mundo.

Então, é claro, há a música. Uma coisa deve ser solicitada a contribuir para uma trilha sonora. Mas não foi o que Houston fez aqui. Como co-produtora executiva da trilha sonora do filme, ela gravou seis músicas para usar no filme. Mas, ela estava criando algo essencial ao personagem de Rachel Marron como cantora: músicas de sucesso. Ao longo do filme, o público ouve Marron tocando as músicas que a fizeram sentir. Para tornar sua personagem e o filme convincentes, Houston precisava fornecer a Marron um catálogo antigo, digno de uma estrela. Isso não seria um problema. As contribuições de Houston levariam a três singles entre os cinco primeiros, uma série de registros de paradas / vendas longas para listar aqui, três prêmios Grammy (incluindo o Álbum do Ano) e mais de 45 milhões de cópias vendidas em todo o mundo, tornando-a mais vendida trilha sonora dum filme de todos os tempos. Essas contribuições também incluíram o que se tornaria a performance de assinatura de Houston: seu cover indelével de “I Will Always Love You” de Dolly Parton.

Houston ajudou a transformar “O Guarda-Costas” em um dos filmes e trilhas sonoras mais bem sucedidos de todos os tempos. Também não seria nenhum elogio dizer que sua música carregava o filme, que sua performance a estabeleceu como uma atriz capaz em Hollywood e que “I Will Always Love You” se tornou um clássico do songbook americano em suas mãos. Tudo isso é bom, mas negligencia o que o trabalho de Houston no filme significou não apenas para sua própria carreira, mas em termos de quebrar barreiras em Hollywood, principalmente para atrizes e produtores negros. Assim como seu sucesso como estrela de R&B e pop, ela garantiu mais tempo de sucesso para artistas negros, especialmente mulheres e assim o sucesso de Houston no filme também abriria o caminho para outros seguirem na indústria cinematográfica.

VEJA TAMBÉM: Maiara volta a apagar fotos com Fernando e ele desaba na web: “Vontade de fazer nada”

Como qualquer pioneiro, o caminho de Houston estava repleto de obstáculos. Apesar do fato de o roteirista Lawrence Kasdan (The Empire Strikes Back, Raiders of the Lost Ark) ter originalmente escrito o roteiro com o ator branco Steve McQueen e a cantora negra Diana Ross do Supremes em mente como protagonistas – sem mencionar que o filme estava prestes a começar a produção em 1978 com o ator branco Ryan O’Neal no papel de guarda-costas, antes Ross optou por deixar o projeto. Embora Costner, um co-produtor do filme, tivesse escolhido Houston para o papel, ela ainda foi submetida a um rigoroso processo de teste de tela e até teve que ensinar à equipe, não acostumada a trabalhar com atrizes negras, como iluminá-la devidamente. Também houve rumores de que certas cenas de amor foram cortadas e os materiais promocionais iniciais permaneceram ambíguos sobre o elenco, tudo devido ao medo de que o público achasse o tabu do casal inter-racial.

Enquanto o filme roubava corações ao redor do mundo e sua trilha sonora permeava as ondas aéreas globais, Houston ganhou poder em Hollywood. Seu próximo grande projeto ‘Waiting to Exhale’, de 1995, uma comédia e romance negro sobre irmandade que só poderia ser aprovado quando Houston concordasse em interpretar um dos principais amigos do filme. Dirigido por Forest Whitaker, estrelado por talentos como Angela Bassett e Gregory Hines, ao lado de Houston, tornou-se um favorito de gerações e um prelúdio para mais filmes apresentando principalmente elencos pretos.

Assim como fez para O Guarda-Costas, Houston também contribuiu com música original para Waiting to Exhale, aparecendo em três músicas (incluindo o hit número 1 “Exhale (Shoop Shoop)”) em uma trilha sonora produzida por Babyface e apresentando quem é quem das artistas negras, incluindo Aretha Franklin, Mary J. Blige e uma jovem Brandy, entre outros. A trilha sonora foi platina sete vezes com a força da liderança de Houston. O sucesso geral do projeto enviou uma mensagem significativa à indústria do entretenimento de que filmes e músicas produzidos e estrelados por talentos negros poderiam atrair o grande público.

Naturalmente, Houston não era de desperdiçar esses novos níveis de sucesso. No ano seguinte, ela estrelaria ao lado de Denzel Washington em ‘The Preacher’s Wife’, de Penny Marshall, outro filme de elenco preto que contou com o retorno de muitas de suas colegas de ‘Waiting to Exhale’. Embora o filme não tenha tido o mesmo impacto cultural que ‘The Bodyguard’ ou ‘Waiting to Exhale’, a trilha sonora orientada ao evangelho, estrelada e coproduzida por Houston, vendeu seis milhões de cópias e ganhou várias indicações ao Grammy. Ainda é o álbum gospel mais vendido de todos os tempos.

Talvez, mais importante, Whitney Houston tenha recebido US$ 10 milhões para estrelar ‘The Preacher Wife’, uma oferta histórica para uma atriz afro-americana que abriu portas para outras atrizes de sucesso, tanto em preto quanto em branco, para começar a ganhar mais que seus colegas masculinos. Houston usaria essa influência no ano seguinte para fazer produção executiva e co-estrelar como a ‘Madrinha das Fadas’ em um remake da televisão de ‘Cinderela’ de Rodgers & Hammerstein, ao lado de Brandy e um elenco refrescante de atores e atrizes. A produção receberia vários acenos do Emmy e obteria a classificação mais alta da ABC em quase duas décadas, com 60 milhões de telespectadores.

Nenhum outro cantor conseguiu a façanha de ser o número 1 na lista dos mais vendidos nos Estados Unidos por nove vezes seguidas, como foi o caso de Whitney Houston. Elvis, Beatles ou Michael Jackson não conseguiram. Nenhum outro artista conseguiu reunir uma presença física marcante e um charme emblemático com uma voz de máxima grandez como Houston. Todos estes detalhes estão em Whitney, o filme documental que foi lançado em 2018 paralelamente ao Festival de Cannes.

Juntamente com esse talento, também existia uma mulher que tinha sido abusada sexualmente quando criança, que acabou sofrendo grande pressão materna para conquistar o sucesso, tendo problemas nas mãos de um marido ciumento e enfrentando dúvidas severas sobre sua orientação sexual. Isto tudo tendo acesso fácil a todas drogas e álcool que queria. Neste contexto, a vida e obra de Houston é bastante parecida com a de Michael Jackson ou Amy Winehouse (que já teve seu próprio filme documental em Cannes), também astros mundiais da música cujas vidas terminaram dramáticamente. No caso de Whitney Houston, sua morte aconteceu numa banheira de um quarto do hotel Beverly Hilton, em 11 de fevereiro de 2012, aos 48 anos.

Os fãs de Whitney Houston podem apontar para vários momentos decisivos na carreira da diva; no entanto, talvez seja mais adequado que um de seus últimos grandes papéis tenha sido como uma fada madrinha. Graças ao seu talento, determinação e sucesso, em um momento em que as mulheres negras raramente eram vistas como mulheres ou produtoras de destaque, toda uma geração de artistas negras e femininas recebeu novas oportunidades e possibilidades. É um legado que nunca se tornará uma abóbora.