Os rapazes do grupo BTS (FOTO: Reprodução)

O grupo sul-coreano K-pop BTS enfrenta uma chuva de críticas na China em relação aos comentários feitos por um membro da banda sobre a Guerra da Coreia.

Num discurso, o líder da banda, conhecido como RM, mencionou a “história de dor” partilhada pela Coreia do Sul com os EUA durante o conflito de 1950-53, no qual os dois países lutaram em conjunto.

Mas os seus comentários enfureceram os internautas chineses, uma vez que Pequim apoiou o Norte na guerra.

A controvérsia também parece ter afetado os acordos comerciais.

Os anúncios de empresas como a Samsung, a marca esportiva Fila e o fabricante de automóveis Hyundai desapareceram de vários websites e plataformas de redes sociais chinesas, embora o motivo ainda não esteja claro.

A banda BTS (Foto: Reprodução)

VEJA MAIS: Testemunha de casos de pedofilia alega que Michael Jackson é inocente

O K-pop tem um grande número de seguidores na China e os BTS – um dos grupos de maior sucesso – não são diferentes, com pelo menos cinco milhões de fãs na popular rede social Weibo, da China.

Os comentários de RM aconteceram quando BTS recebeu um prêmio em homenagem às relações entre os EUA e a Coreia do Sul. “Recordaremos sempre a história de dor que as nossas duas nações partilharam juntas e os sacrifícios de incontáveis homens e mulheres”, disse ele.

Mas as suas palavras foram recebidas com uma resposta irada na China, e diversos usuários da Weibo escreveram sobre as perdas sofridas pelo país.

De acordo com o jornal estatal chinês Global Times, “os cidadãos chineses disseram que a atitude totalmente unilateral da banda em relação à Guerra da Coreia fere os seus sentimentos e nega a história”, acrescentando que os comentários foram concebidos para “tocar” ao público norte-americano. “Eles [BTS] não deveriam ganhar dinheiro com a China”, comentou um usuário zangado da Weibo.

No entanto, várias pessoas no Twitter defenderam o grupo, afirmando que o discurso do RM não mencionou diretamente a China.

Os sete membros da banda BTS são populares em todo o mundo e bateram uma série de recordes. No início deste ano, o single Dynamite tornou-se o vídeo mais visto no YouTube em 24 horas, com 101,1 milhões de visualizações.