A cantora Demi Lovato (FOTO: Reprodução)

Demi Lovato sempre foi uma voz ativa em vários assunto necessários, como saúde mental, auto-estima, abuso de drogas, racismo, homofobia e política.

E, sem esconder seus posicionamentos, a cantora lançou um clipe para a polêmica Commander in Chief perto das eleições presidenciais.

O clipe apresenta pessoas portadoras de surdez, em cadeiras de rodas, de diferentes raças, credos, idades e pesos. A própria cantora aparece apenas nos segundos finais do vídeo.

VEJA TAMBÉM: Jennifer Lopez e Katy Perry incentivam importante campanha de Lady Gaga

Publicamente contra Donald Trump desde 2016, o novo single da artista é como se fosse “uma carta”. Em entrevista para a CNN norte-americana, ela revelou alguns detalhes.

“Muitas vezes eu quis escrever uma carta ao presidente ou sentar-me com ele e fazer-lhe essas perguntas”, disse. “Pensei que uma forma de fazer isso é escrever uma música e lançá-la para todo o mundo ouvir e então ele tem que responder a essas perguntas para todos e não apenas para mim”.

A letra da música é bem clara: “Com cada história que você contou, eu sou sortuda, porque há pessoas em situações piores, que já sofreram o bastante. Elas já não sofreram o suficiente?”.

“Mas você não consegue se cansar, fechando sistemas para ganho pessoal, combatendo incêndios com panfletos e rezando por chuvas. Você não sente dor? Nós não somos peões no seu jogo”.

Demi Lovato entona no refrão: “Comandante chefe, se eu fizesse coisas que você faz, eu não conseguiria dormir. Você ao menos sabe a verdade? Estamos em crise, as pessoas estão morrendo enquanto você enche seus bolsos”.

A letra foi escrita por Demi ao lado de Julia Michaels e Justin Tranter. A produção ficou por conta de Finneas – irmão de Billie Eilish.