Virgin Money Unity Arena no Reino Unido (FOTO: Reprodução)

A Virgin Money Unity Arena do Reino Unido, o primeiro local “dedicado à distância social“, foi forçada a fechar após seis semanas de shows, devido às novas restrições da Covid-19 na área de Newcastle.

À luz do anúncio de que novas medidas locais de bloqueio serão introduzidas no Nordeste, nosso próximo fim de semana de shows não pode mais acontecer,” o local anunciou nesta quinta-feira (17).

É extremamente decepcionante ter que cancelar esses shows finais no final do que tem sido uma sequência incrível de seis semanas de shows com sucesso e distanciados socialmente. Cumprimos todas as orientações governamentais para garantir a segurança e a diversão de nosso público, artistas e equipe técnica. Gostaríamos de agradecer a todos os que participaram desses eventos genuinamente comoventes e edificantes. Nas últimas seis semanas, Newcastle tem sido o líder da indústria da música ao vivo e, por isso, devemos estar todos muito orgulhosos.

O show Chase & Status de quinta à noite será o último show na Virgin Money Unity Arena em 2020; as novas medidas entram em vigor à meia-noite, horário do Reino Unido. Apenas um punhado de shows permaneceu no calendário do local, incluindo shows de Kaiser Chiefs e Declan McKenna agendados para este fim de semana. “Todos os detentores de ingressos para shows cancelados serão contatados para reembolso”, prometeu o local.

VEJA TAMBÉM: Herdeira da mansão de Freddie Mercury trabalhou como vendedora em loja de roupas

Como parte das novas restrições na região Nordeste – onde os casos de Covid-19 aumentaram, o toque de recolher será aplicado, bem como outras medidas de bloqueio.

Antes de fechar, o local com sucesso – no que diz respeito aos shows da era da pandemia – recebeu concertos de Sam Fender (que fez o show inaugural do local), Supergrass, Van Morrison, o Libertines e Two Door Cinema Club. A capacidade da arena – uma ampla pista convertida – era de 2.500 pessoas por show.

Tentamos olhar para a opção de carro e todos pensamos coletivamente que você simplesmente não conseguiria a mesma atmosfera se houvesse um carro entre cada grupo”, disse Steve Davis, diretor da SSD Concerts, à Rolling Stone. “Mas se o carro não está lá, de repente você tem mais uma atmosfera de show. Tentamos chegar o mais perto da antiga experiência de show que conhecíamos. Tivemos que passar por muitos obstáculos com o conselho local, mas fizemos funcionar. Portanto, estávamos conscientes de remover o carro do cenário e tentar fazer este novo tipo de local de música que ainda é compatível com COVID.