michael jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução)

Michael Jackson preparava-se para a sua turnê de retorno “This Is It” quando foi encontrado inconsciente na sua mansão alugada em Holmby Hills, Los Angeles, em 25 de junho de 2009, tendo sofrido uma parada cardíaca depois que seu médico pessoal – o Dr. Conrad Murray – lhe deu medicação para lhe ajudar a dormir.

Michael Jackson havia se tornado uma figura controversa antes da sua morte após ter sido acusado de abuso sexual em um caso envolvendo uma criança de um amigo da família, e, em 2005, foi julgado e absolvido de todas alegações de abuso sexual infantil e também de várias outras acusações.

VEJA TAMBÉM: Vídeos sensuais de Anitta são publicados em site pornô

Porém, desde a sua morte, surgiram novas alegações de abuso sexual por parte do coreógrafo Wade Robson e James Safechuck, cujos relatos constituiriam a base do documentário “Leaving Neverland” lançado em março de 2019, atraindo críticas ferrenhas tanto de fãs do cantor como do espólio do cantor e empresa Jackson Estate – que moveu uma ação judicial no valor de 100 milhões de libras esterlinas.

Porém agora, um novo livro do jornalista de investigação Dylan Howard utilizou um algoritmo avançado de detecção de mentiras que apontou algumas “inconsistências” no depoimentos de uma das alegadas vítimas no documentário.

A aparente reviravolta no caso é revelada num novo livro explosivo intitulado “Bad: An Unprecedented Investigation into the Michael Jackson Cover-Up”, que documenta a ascensão e queda da maior estrela pop do mundo.

No texto, o autor afirma ter resultados do que descreve como “os sistemas de análise de comportamento digital mais avançados do mundo” para identificar se existem discrepâncias nas declarações proferidas pela suposta vítima Safechuck. Howard diz ter tido contato com peritos que analisaram as entrevistas dadas por Sr. Safechuck através do sistema algorítmico – que alegadamente evidenciou irregularidades.

O teste chama-se “DecepTech Voice Stress Analysis Machine“, uma versão computadorizada da Avaliação de Stress Psicológico utilizada por mais de 50 agências de aplicação da lei nos EUA, embora o novo sistema não seja admissível como prova em tribunal.

As palavras “detector de mentiras” tornaram-se sinônimo de qualquer referência à tecnologia de análise de stress vocal, devido ao fato de afirmar detectar hesitação na voz humana. O autor Howard afirma que o sistema analisou um trecho do documentário na qual Safechuck revelou que Jackson realizou com ele uma cerimônia de casamento simulada e lhe deu jóias em troca de favores sexuais.

O sistema concluiu que Safechuck estaria provavelmente sendo verdadeiro sobre a cerimônia, mas os níveis de stress na sua voz indicavam que ele poderia não ter sido verdadeiro sobre as “recompensas” pelos supostos favores sexuais.

Howard diz que a análise também indica que Safechuck pode ter “embelezado” o seu testemunho. No livro, o autor Howard escreve: “Temos de nos lembrar que a máquina não prova a versão dos acontecimentos da Safechuck, nem liberta Michael. Como muitas das controvérsias em torno do Rei do Pop, esta nos deixa sob nosso próprio julgamento”.

O autor conclui: “Foi Jackson um abusador de crianças indefesas, ou foi ele um personagem incompreendido como Peter Pan ajudando ‘rapazes perdidos’ a encontrar o seu caminho?”

A obra Mau: An Unprecedented Investigation into the Michael Jackson Cover-Up,’ está disponível online e a nível nacional nos EUA desde o último dia 7 de Julho.