michael jackson
O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Reprodução)

O cantor Michael Jackson foi adorado em todo o mundo e tornou-se uma das figuras mais significativas do século XX, mas as afirmações de abuso mais recentes têm encoberto o seu legado. Em 2009, enquanto se preparava para a sua turnê de retorno “This Is It”, o músico de 50 anos foi encontrado morto após sofrer uma overdose de propofol e benzodiazepina administrada pelo seu médico pessoal – o Dr. Conrad Murray.

Em agosto daquele mesmo ano, o médico-legista do condado de Los Angeles decidiu que a morte de Jackson teria sido um homicídio acidental e acusou Murray de homicídio involuntário no dia 8 de fevereiro de 2010 – pelo qual ele cumpriria pena os dois anos seguintes. Jackson tornou-se uma figura controversa depois de ter sido acusado de abuso sexual da criança de um amigo da família, e, em 2005, foi julgado e absolvido de todas alegações de abuso sexual infantil e de outras acusações.

VEJA TAMBÉM: Por causa de um tubarão, Beatles recusaram R$ 1 bilhão para se reunir novamente

Agora, em um novo livro do jornalista de investigação Dylan Howard traria o que o autor afirma ser um “diário nunca visto antes” de Michael Jackson que “dá uma visão íntima da mente da superestrela enquanto ela se preparava para fazer uma última tentativa para relançar a sua carreira e pagar as suas crescentes dívidas”. As páginas originais do documento são reproduzidas na obra “Mau: An Unprecedented Investigation into the Michael Jackson Cover-Up’, um novo relato da vida do cantor.

Extracts from the apparent diary discuss 'Tohmey'

De acordo com o diário, Jackson esperava ganhar 20 milhões de dólares (16 milhões de libras) por semana e acreditava que tinha potencial para se tornar o “primeiro realizador multi-bilionário de entretenimento”. Aparentemente, os astro levou em consideração todas oportunidades em que esperava ganhar dinheiro, incluindo os espetáculos do Cirque Du Soleil com suas canções, e um acordo com a marca de atletismo Nike além de filmes em Hollywood.

De acordo com as páginas, os planos de Michael Jackson eram realmente ambiciosos e ele planejou contratar uma espécie de profissional de “merchandising” para refazer clássicos de cinema como “20.000 Ligas Submarinas” e “A Sétima Viagem de Sinbad”. As 12 páginas do diário detalham o seu plano aparente para reconstruir a sua carreira na esperança de se tornar “imortalizado” como os seus ídolos Charlie Chaplin, Michelangelo, e Walt Disney.

Ele aparentemente chegou a escrever: “Se eu não me concentrar no filme, não há imortalização”. O diário podia também mostrar como o cantor tentava desesperadamente retomar o controle dos seus bens e se desvencilhar dos empresários e conselheiros que ele sentia que estavam aproveitando-se dele.

Em um trecho é possível ler: “Quero assinar todos os cheques acima de $5000 (£4,001) agora”, seguido de: “Contrate agora um contabilista em quem confio e um advogado. Quero conhecê-lo”.

The diary extracts also show Jackson's apparent reliance on 'Conrad'

O autor Howard acredita que o cantor estava particularmente desconfiado do seu empresário naquela época, Tohme R. Tohme, e não o queria “nos aviões ou em sua casa”. O escritor relata também que o seu médico, o Dr. Murray, é mencionado no diário. “Conrad deve agir agora, não posso estar cansado.

Divagações mais obscuras podem também mostrar que a estrela se tinha tornado paranóica e estava a perder o seu controle da realidade. Em um determinado trecho o músico teria escrito: “Temo que alguém esteja tentando me matar”, e em outro trecho Michael Jackson supostamente escreveu que havia “pessoas más por todo o lado”. As notas acrescentam: “Querem destruir-me e levar a minha editora”.

“O sistema quer me matar por causa do meu catálogo… Eu não o estou a vender”. O autor Howard conclui que o diário ajuda a contextualizar as circunstâncias da morte do cantor. Ele acredita que também põe em causa os rumores de uma conspiração.

Falando sobre as notas, ele afirma: “Embora os fatos da morte de Michael não se somem ao suicídio, revelam certamente um homem sobrecarregado que lentamente se matou através do consumo de drogas. “E aqueles que o rodeavam aproveitavam-se da sua impotência”.

O veículo britânico Express.co.uk contactou a Michael Jackson Estate e o antigo publicista do cantor, Raymone Bain, para comentários. “Mau: An Unprecedented Investigation into the Michael Jackson Cover-Up,’ está disponível online e nos Estados Unidos a partir do último 7 de Julho.