O cantor norte-americano Michael Jackson (FOTO: Matthew Rolston)

O diretor Dan Reed, de ‘Leaving Neverland‘, está envolvido em uma disputa legal com as empresas legadas de Michael Jackson enquanto tenta filmar uma sequência para seu explosivo documentário. A informação é do Deadline.

Reed está filmando no Tribunal Superior de Los Angeles com Wade Robson e James Safechuck, os dois homens no centro de Leaving Neverland, perseguem reivindicações separadas contra MJJ Productions e MJJ Ventures após alegar que foram abusados ​​sexualmente pelo rei do Pop quando eram menores.

A filmagem de Reed será usada em um filme de acompanhamento para o Channel 4, no qual ele captura as guerras legais sendo travadas por Robson e Safechuck depois que suas entrevistas emocionantes de Leaving Neverland acenderam um incêndio sob a preocupação de que Jackson era um predador. Ao produzir o segundo documentário, no entanto, a MJJ Productions e a MJJ Ventures tentaram envolver Reed no processo judicial.

VEJA TAMBÉM: Giulia Be abre o jogo sobre relação com Luan Santana: “Foi muito além de só a música”

As empresas de Jackson serviram a Reed e sua equipe de produção, Amos Pictures, intimações exigindo que ele comparecesse pessoalmente para depoimento e entregasse documentos e materiais relacionados a Leaving Neverland e a sequência. As intimações, entregues em 21 de setembro, foram seguidas pelos advogados de Jackson apresentando uma petição em que tentam desacreditar Reed, persuadir o tribunal de que ele não é um jornalista legítimo e retratar Leaving Neverland como unilateral. Eles também estão tentando proibi-lo de filmar no tribunal.

Reed respondeu com uma moção para anular as intimações no tribunal de Los Angeles na semana passada. Na moção de 79 páginas, ele deixa claro que é residente no Reino Unido e que Amos não opera na Califórnia, o que poderia dificultar para um juiz obrigar Reed a entregar os materiais de produção. Ele também aponta que não tem afiliação pessoal com Robson e Safechuck, e não pagou os demandantes para aparecerem em sua sequência – uma reclamação feita ao tribunal pelas empresas de Jackson.

Em resposta às “várias acusações falsas” do briefing sobre sua credibilidade, Reed expôs seu histórico como um cineasta vencedor do Emmy e do BAFTA que deseja usar o documentário Leaving Neverland para narrar os processos judiciais de ambos os lados. “O documentário de acompanhamento para o qual estou filmando atualmente nesses casos é sobre eventos atuais que ocorrem parcialmente à vista do público e será uma narrativa em desdobramento com múltiplos pontos de vista”, disse ele.

Reed anexou e-mails mostrando que pediu à MJJ Productions e ao conselho da MJJ Ventures, Howard Weitzman, para aparecer no segundo documentário. Após uma reunião construtiva com Reed em junho, Weitzman recusou. “Resolvi que nem eu nem ninguém nos meus escritórios participará do documentário que todos discutimos por vários motivos. Entre eles está o fato de que você já está claramente registrado, dizendo que acredita nas histórias de ambos os acusadores sem hesitação ”, disse Weitzman por e-mail no mês passado. John Branca, o CEO das empresas Jackson e co-executor do Michael Jackson Estate, também se recusou a participar do documentário.