Drogas na infância e caso lésbico; os segredos de Whitney Houston

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Morta em 2012, Whitney Houston era bissexual. Foi inserida nas drogas pelos irmãos ainda na infância. Tentou desesperadamente abandonar o vício das drogas por causa da filha, que mais tarde também se renderia ao vício.

Esses são os
fatos de “Whitney: Can I Be Me”, documentário do diretor Nick Broomfield que
estreou no Brasil em 2017 no festival In-Edit, também conhecido como o filme
que a família da cantora tentou brecar.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Para decupar
a história de uma das artistas mais bem-sucedidas da história da música,
Broomfield conversou com guarda-costas, backing vocals, cabeleireiros,
empresários e todos que de alguma forma estavam no círculo social da artista.

O resultado
é um retrato íntimo e trágico de alguém que por anos foi forçada a esconder sua
verdadeira personalidade em nome da estrela Whitney Houston.

Confira as principais revelações do filme:

Relacionamento com outra mulher

Pessoas próximas a Whitney afirmam a cantora manteve por anos um relacionamento com Robyn Crawford, sua assistente pessoal, uma antiga amiga do irmão mais velho da artista que chegou a dividir apartamento com ela no começo da carreira. Robyn se tornou a melhor amiga, anjo da guarda e, segundo declarações, amante da estrela. Formou um triângulo amoroso com o marido da cantora, Bobby Brown. De acordo com o diretor Nick Broomfield, a família sempre se esforçou em deletar Robyn da história da Whitney. Hoje uma mãe de família, Robyn, que é mostrada no documentário em uma entrevista de 1999, nunca falou abertamente sobre seu relacionamento íntimo com a estrela, que não seria lésbica, mas sim, bissexual.

Whitney Houston e Robyn Crawford (Foto: Reprodução)

Cissy Houston, mãe de Whitney, não aceitava o relacionamento

A mãe da cantora, Cissy Houston, descrita como uma mulher rígida e religiosa, não aceitava que Whitney tivesse um romance homoafetivo, e isso entristecia profundamente a filha. O documentário sugere, inclusive, que, caso a Cissy tivesse outra postura, Whitney teria se entregado menos as drogas e, provavelmente, ainda estaria viva. Robyn era uma figura muito importante na vida da cantora. A orientava e a mantinha nos trilhos. “Ela foi se tornando cada vez mais reclusa e menos capaz de lidar com o que estava acontecendo. Ela era uma alma sensível, e, sendo ridicularizada na imprensa, isso apenas se exacerbava”, disse Broomfield em entrevista.

Whitney Houston e Cissy Houston (Foto: Reprodução)

VEJA TAMBÉM: Detalhes do divórcio bilionário de Adele serão mantidos em segredo

A péssima relação com o marido Bobby Brown

“Whitney: Can I Be Me” aponta que Whitney Houston pode ter inserido Bobby Brown ao mundo das drogas, começando pelo álcool, depois a substâncias mais pesadas. O casamento durou 15 anos e acabou se tornando altamente tóxico. Broomfield diz que grande parte do dinheiro acumulado pela cantora foi usada com drogas e não só por ela, mas também por familiares dela e de Brown. “Ela estava sempre tão preocupada com que todos a seu redor estivesse felizes que se dispunha a gastar todo o dinheiro.”

Whitney Houston e Bobby Brown (Foto: Reprodução)

Irmãos inseriram a cantora no mundo das drogas

Outra questão abordada no filme: Whitney Houston teria conhecido as drogas por incentivo dos irmãos Michael e Gary Houston, que começaram a usar quando a família se mudou para East Orange, em New Jersey, nos anos 1960, quando a artista ainda era criança. Em filmagem utilizada no longa, os dois irmãos lembram que eram muito unidos e faziam tudo juntos. “Quando você entra nas drogas, você também faz isso junto”, diz Michael. Em outro momento, Gary assume que usou heroína aos dez anos de idade: “Eu via gente que eu respeitava usando drogas, em suas melhores fases”, relembra ele.

Whitney Houston e os irmãos (Foto: Reprodução)

Tentou largar as drogas por causa da filha

Em uma das cenas do filme, Whitney e o marido Bobby Brown aparecem jantando em um restaurante, e ela começa a chorar quando a conversa cai em Bobbi Kristina, filha do casal. “Estou preocupada com ela. Eu a amo tanto”, diz a cantora, chorando. Em entrevista, Carrie Starks, assistente social, diz que Whitney queria apenas ser uma pessoa normal, longe do vício. “Ela não se importava com roupas ou carros chiques. Ela me disse: ‘Eu quero largar as drogas para poder ser uma mãe para minha filha’.” Bobbi morreu em 2015, aos 23 anos, em uma combinação de intoxicação de drogas e afogamento, apenas três anos após a morte da mãe.

Whitney Houston e a filha (Foto: Reprodução)
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio