O astro britânico Elton John (FOTO: Reprodução)

Elton John mantém suas esperanças de que os Estados Unidos possam eliminar a AIDS, mas não sem antes enfrentem a intolerância e o racismo da sociedade estadunidense.

O artista inglês de 73 anos escreveu um artigo para o The Atlantic publicado nesta quinta-feira (09), onde discutiu como a epidemia de Aids / HIV foi “exacerbada pelo racismo, preconceito e discriminação” e que todos merecem acesso a bons cuidados de saúde, independentemente de seus antecedentes e como eles se identificam.

Podemos alcançar uma geração livre de AIDS na América – mas apenas se projetarmos um sistema de atendimento que abranja pessoas negras e comunidades marginalizadas e lide diretamente com o racismo estrutural“, escreveu John, antes de listar algumas organizações que estão ajudando a resolver esses problemas. “Eles precisam de governos federais, estaduais e locais por trás deles, e precisam que nossas comunidades reconheçam a verdade: que hoje nos Estados Unidos o racismo e o fanatismo impulsionam o HIV / AIDS“.

VEJA TAMBÉM: Vídeos sensuais de Anitta são publicados em site pornô

John observou o fato de que os negros são mais propensos a morrer de HIV do que os brancos. Ele escreveu como os negros americanos representaram 42% dos novos casos de HIV em 2018, apesar de constituírem apenas 13% da população dos Estados Unidos e os negros gays ou bissexuais têm 50% de chance de serem diagnosticados com HIV durante a vida. Homens brancos gays ou bissexuais têm 9% de chance.

Essas disparidades não são aleatórias. Pelo contrário, eles refletem séculos de discriminação. Desigualdades estruturais persistentes em oportunidades econômicas, educação e moradia expõem desproporcionalmente as famílias negras a sérios riscos à saúde, incluindo HIV / AIDS “, escreveu John antes de acrescentar que os negros se tornaram menos confiantes no sistema de saúde devido a uma “dolorosa história de racismo em medicina.

O artista de “Wonderful Crazy Night” observou que essas disparidades não se limitavam apenas ao HIV, mas também são aparentes durante a pandemia de coronavírus, onde os negros estão morrendo a uma taxa mais alta do que os brancos.

Acredito que todos merecem o direito a uma vida saudável, não importa quem você ama, quem você é ou de onde você é“, escreveu John, destacando por que ele fundou “Elton John AIDS Foundation” em 1992 para apoiar comunidades marginalizadas na região na luta contra a AIDS e o HIV.

O artista disse que ativistas, cientistas e tomadores de decisão estão se reunindo para a Conferência Internacional sobre Aids, que acontece esta semanao para discutir como lidar com a Aids, mas eles não podem fazer isso sozinhos.

Os formuladores de políticas e o público também devem se unir e se comprometer a derrotar o viés inerente que significa que a AIDS ainda é uma sentença de morte para alguns. Só então podemos acabar com a epidemia de Aids de uma vez por todas“, finalizou John.