O astro norte-americano Elvis Presley (FOTO: Reprodução)

Elvis Presley ficou mais conhecido como o Rei do Rock n Roll ao longo de sua carreira, no entanto, um ano fatídico o viu sendo convocado para o exército dos EUA. E embora tenha recebido muito tratamento especial, ele simplesmente se recusou a ser tratado de forma diferente por qualquer outra pessoa.

Seria difícil imaginar Elvis fora do palco com uma guitarra e, em vez disso, ficasse na fila dos soldados, com uma arma na mão. Bem, isso é exatamente o que aconteceu em 1958, quando o Rei do Rock n Roll foi convocado para o exército dos EUA. Em 1953, Presley registrou-se no U.S. Selective Service System. Por causa disso, esperava-se que jovens de boa saúde ingressassem no exército por, no mínimo, dois anos.

Entre 1953 e 1958, Elvis tornou-se um fenômeno mundial.

Então, quando os militares bateram à porta para que ele finalmente se juntasse ao serviço, foi um choque para seus fãs.

VEJA TAMBÉM: Produtor famoso faz música sobre Vitão e Luísa Sonza: “Rouba mozão do outro”

Mas Elvis estava ansioso para cumprir seu dever para com a América e se juntar o mais rápido possível. Em 22 de setembro de 1958, depois de receber algumas permissões especiais do Exército dos EUA, Presley deu uma entrevista coletiva final no Terminal Militar do Oceano em Brooklyn.

Pouco depois disso, Presley ingressou na terceira Divisão Blindada do General Randall do USS. Durante seu tempo aqui, ele embarcou em uma viagem para Bremerhaven, Alemanha.

Embora muitos fãs de Presley estivessem sem dúvida preocupados com sua segurança, os próprios militares viram isso como uma oportunidade incrível de relações públicas.

Elvis, na época, era talvez uma das pessoas mais procuradas do planeta – e tê-lo servindo nas forças armadas dos EUA seria ótimo para todos os envolvidos.

No aniversário de 22 anos de Presley ele foi considerado “1A”, e foi anunciado que ele seria convocado em breve.

Com o rei prestes a entrar no prédio, muitas divisões diferentes dos militares estavam ansiosos para colocar sua oferta na mesa.

A Marinha ofereceu-se para criar uma empresa “Elvis Presley” especialmente treinada, apenas para ele.

Enquanto isso, a Força Aérea planejava fazer com que ele visitasse todos os centros de recrutamento, na tentativa de atrair novos negócios. Mas Presley tinha mais orgulho do que isso e cordialmente recusou ambas as ofertas – e certamente mais do que isso.

Em vez disso, Elvis recusou qualquer tratamento especial e entrou para o exército como recruta regular – assim como todos os outros. Muitas pessoas elogiaram Presley ao longo de sua vida, mas ninguém falou mais alto do que sua ex-amante, Ann-Margret.

Em uma entrevista em 1997 com Charlie Rose, Ann-Margret explicou por que ela nunca “trairia” sua confiança. A dupla teve um caso por pouco mais de um ano, onde se tornaram extremamente próximos.

Alguns dos melhores amigos de Elvis até disseram que pensavam que ele passaria o resto da vida com ela. Durante a entrevista, Ann-Margret explicou: “Nosso relacionamento era muito forte, muito sério e muito real.

Foi extremamente especial. Foi muito forte. E eu não gostaria de trair sua confiança na morte.” Ela acrescentou: “Eu o conhecia muito, muito bem. Tem sido escrito tanto que foi negativo sobre ele que eu quero celebrar sua vida [e] o homem que conheci.

Elvis Presley Rei do Rock: ELVIS E SEU ROMANCE COM ANN-MARGRET
(FOTO: Reprodução)