Em comemoração aos 76 anos de Elis Regina, gravadora lança álbum especial

Elis 1972, com nova mixagem dirigida por João Marcello Bôscoli, remasterizado por Carlos Freitas e relançado em vinil, CD e álbum digital por sua gravadora original, a Philips – atualmente Universal Music - , quase 50 anos depois de sua gravação, mostra o quanto há por se descobrir sobre o “som de Cesar” e as sutilezas de Elis Regina

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Elis já era Elis quando, sempre a única mulher entre muitos homens, entrou naquele estúdio da Philips, em 1972, esperando o sinal para cantar “20 anos blue”. Ela já havia deixado em Porto Alegre quatro álbuns dos quais não se orgulhava e uma vida simples de menina prodígio no condomínio popular da Vila do IAPI. Ao chegar ao Rio, em 1964, embriagou-se do samba jazz no Beco das Garrafas até encontrar sua voz e sua turma no disco “Samba, Eu Canto Assim!” Um ano depois, em São Paulo, entregava-se ao Zimbo Trio e a Jair Rodrigues, vencia o I Festival de Música Popular Brasileira na Excelsior com “Arrastão” e apresentava um programa de TV líder de audiência na Record. Elis já havia cantado no Olympia de Paris, brigado com a Jovem Guarda e a guitarra elétrica, gravado Roberto Carlos com guitarra elétrica, lançado Milton Nascimento, casado-se com Ronaldo Bôscoli, trazido João Marcello ao mundo e separado de Ronaldo Bôscoli. “Gravando!” Ali, naquele estúdio, todos os pedaços de vida e de memória se juntavam para criar uma nova e definitiva Elis.

VEJA MAIS: Após boicote de The Weeknd, Cardi B quebra o silêncio sobre o Grammy

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Se fosse apenas sobre música, o LP de 1972, Elis ou apenas o “Álbum da Cadeira”, já seria um dos registros mais excepcionais da MPB pela interpretação e pelo poder de sua sequência de canções. Mas, como tudo em Elis, nunca é apenas sobre música. Ao ser relançado em vinil, CD e álbum digital com os luxos de uma nova mixagem e masterização, além de um lyric video da canção “Casa no campo”, as doze faixas revelam-se logo uma desforra emocional apaixonada e incessante deflagrada pela voz vida de Elis – “não é a voz que canta”, ela dizia – e pela textura de suavidade seca criada pelo pianista Cesar Camargo Mariano a partir daquele instante. O “som de Cesar” não vinha sobrepor-se à voz com solos e explosões, mesmo sendo produzido por uma gente que poderia fazer apenas isso se quisesse, nem se subjugar como um coadjuvante de diva. Ele vinha no ponto. Qual ponto? O ponto de Elis. Cesar entendeu logo que quem conduziria todos naquele estúdio seria a voz, e não o contrário.

Ao ouvirmos Elis e suas primeiras gravações ao lado do Quarteto Fantástico, formado por Cesar, Luisão Maia (baixo) Hélio Delmiro (guitarra) e Paulo Braga (bateria), em um LP com direção artística de João Marcelo Bôscoli, com o engenheiro de som Luiz Paulo Serafim –  quase 50 anos depois das gravações originais por alguém que saiu de seu ventre, João Marcello Bôscoli, nada fica muito parecido com um relançamento convencional. É mais do que isso, e principalmente por tudo que ainda há escondido nas sutilezas de um álbum feito em detalhes captados por quatro canais. Coisas do vinil: o contrabaixo sólido de Luisão Maia cola-se ao bumbo de Paulinho Braga e potencializa os dois mesmo nos volumes mais baixos enquanto o pensamento da guitarra jazz de Hélio Delmiro o faz suingar nas frestas deixadas pelo piano de Cesar. A vassourinha raspa a pele da caixa de Paulo Braga em “20 anos blue” e nos leva a um clube de jazz esfumaçado dos anos 50. As fisgadas da guitarra de Hélio bem ao fundo de “Bala com bala” faz a estrutura frenética de baixo, voz e bateria balançar ainda mais. A entrada dos violinos em “Águas de março” no instante em que Elis canta “é uma ave no céu” exerce o intrigante poder da própria levitação. E o piano elétrico RMI de Cesar em “Casa no campo”, o mesmo que, em 1974, assustaria Tom Jobim antes que ele relaxasse para deixar rolar a gravação de “Elis & Tom”, ajuda a criar uma canção rural psicodélica.

Houve uma tarde, depois de que tudo estava gravado e o disco feito, em que o produtor Roberto Menescal chamou Elis para escutarem o álbum juntos pela primeira vez. Ouviram em silêncio o lado A deixando o LP falar por inteiro para perceberem a força do todo: “20 Anos blue”, “Bala com bala”, “Nada será como antes”, “Mucuripe”, “Olhos abertos” e “Vida de bailarina”. Assim que a agulha deslizou no vazio, Menescal levantou-se para virar o disco sem dizer nada. Vieram “Águas de março”, “Atrás da porta”, “Cais”, “Me deixa em paz”, “Casa no campo” e “Boa noite amor”. Ao final, Elis fez uma pausa de alguns segundos, olhou para o produtor e disse sobre todas as músicas que Menescal havia levado para aquele álbum: “Cara, eu sou foda escolhendo repertório”.

Cinquenta anos depois, talvez seja a hora de entender o que Elis quis dizer. Não importava muito como as músicas chegavam. Ao final, era sempre sua, e a partir daquele instante, de seu Quarteto Fantástico, a escolha de dar a cada uma o sopro da vida eterna.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio